Coluna Viver Bem: doenças respiratórias, por que elas pioram no inverno?

10 de agosto de 2018 08:33 | Coluna Bem Viver , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Coluna Viver Bem: doenças respiratórias, por que elas pioram no inverno?

Bom dia pessoal! Resolvi seguir com conteúdos sobre como nos cuidarmos na época mais fria do ano!

No inverno o número de pessoas com doenças respiratórias aumenta muito, e com elas surgem diversas dúvidas, crenças populares e automedicações. Vou tentar deixar claro e dar algumas dicas a vocês.

Existem várias razões para adoecermos no inverno e não é só por causa das baixas temperaturas. O mais importante é o fato de as pessoas ficarem em locais mais fechados, assim os vírus e bactérias acabam se transmitindo de pessoa a pessoa com maior facilidade, causando alguns surtos e até epidemias, isso por que no inverno, o clima é mais seco e juntamente com o ar poluído, contatos com ácaros de roupas guardadas e variações temperatura propiciam a proliferação de vírus e bactérias, contribuindo então para elevar a frequência das infecções das vias respiratórias.

As doenças respiratórias mais frequentes são várias, entre elas, sinusite, otite, pneumonia, gripe, resfriado, rinite, asma, amigdalite, bronquite… ou seja, coriza, dores no corpo, tosse, febre e mal-estar geral os sintomas são muito semelhantes e uma avaliação médica é fundamental para a definição adequada do diagnóstico, mas os responsáveis por essas doenças são os vírus (mais de 90% dos casos) e as bactérias. As reações alérgicas (rinite, por exemplo) são causadas, em sua grande maioria, pelos ácaros – microorganismos encontrados na poeira. A asma é uma doença genética, não tem cura, mas tem controle. A gripe é causada pelo vírus da influenza e caracteriza-se por um quadro de infecção mais intenso, pode apresentar febre alta, dores no corpo, dor de cabeça e calafrios. Os sintomas de coriza, tosse e faringite podem ficar em segundo plano frente às manifestações sistêmicas mais intensas. Febre, diarréia, vômitos e dor abdominal são comuns em crianças mais jovens. Uma gripe mal curada pode resultar em sinusite ou pneumonia, já o resfriado tem os mesmos sintomas, mas aparecem de uma forma mais branda.

Andar descalço, ingerir líquidos ou alimentos gelados, pegar chuva e etc. não são causas de gripe ou resfriado, o que pode acontecer é que o organismo pode interpretar como oscilação de temperatura e desencadear uma crise de rinite alérgica. Nesse caso, o processo alérgico compromete a defesa do corpo e deixa o sistema respiratório mais vulnerável à entrada dos vírus.

As pessoas já portadoras de doenças respiratórias crônicas, tais como a asma e o enfisema ou a rinite alérgica têm maior tendência a apresentar crises de exacerbação nesta época do ano e devem ter uma atenção e cuidado maior! As atitudes mais corretas nesse período, que asseguram uma prevenção adequada, são: evitar ambientes fechados com pessoas doentes, lavar as mãos e proteger a boca ao tossir.

Não posso deixar de comentar também sobre a vacina, ela é importante e deve ser obrigatória em pacientes com asma, doenças cardiopulmonares crônicas, doenças renais, ou imunodeficiência. O objetivo é imunizar contra a infecção de um determinado tipo de vírus, o Influenza, que possui uma maior repercussão clínica. No entanto, existem vários sorotipos. Só a gripe tem três tipos. Por isso, todos os anos a Organização Mundial de Saúde descobre o vírus que está circulando e elabora a vacina para proteger a população, por isso é normal você tomar a vacina e ainda assim poder ficar gripado.

Lembrando que as crianças são mais suscetíveis a essas infecções devido ao convívio em creches, onde uma contamina a outra, além do ambiente fechado. Os idosos também são mais propensos, visto seu sistema imunológico ser mais debilitado devido o maior número de doenças crônicas nessa população e também pelo fato da alimentação e ingesta de líquidos muitas vezes não ser feita de forma adequada.

Bom, as melhores formas de nos prevenirmos são:

  • Sempre deixar o ambiente ventilado;
  • Lavar as mãos frequentemente durante todo o dia;
  • Beber bastante água, mesmo sem sentir sede;
  • Etiqueta da tosse (tossir no punho e no dorso);
  • Evitar o contato de crianças sadias com pessoas com infecção respiratória;
  • Evitar o acúmulo de poeira em casa;
  • Lavar e secar ao sol mantas, cobertores e blusas de lã guardadas por muito tempo.

Se com todos os cuidados, a gripe ainda te pegou não se alarme. Continue com uma rotina diária saudável e uma alimentação balanceada, beba também muita água e sucos naturais, principalmente vitamina C, não espere sentir sede e fique de olho na cor da urina: se escura ou turva é sinal de que você precisa beber mais água. Além disso, descanse bastante, durma quando tiver vontade e deixe que o corpo direcione a energia para reforçar as defesas do organismo. Não esqueça que a saúde é o nosso maior patrimônio! Assim, você vai combater o quadro viral, a infecção, muito mais rápido, normalmente entre três e cinco dias. Mas nunca, em hipótese alguma, se automedique. Consulte sempre o médico, principalmente, se o quadro for crônico, com dores no corpo e febre acima de 39ºC, para um melhor diagnóstico e tratamento adequado.

 

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais