(49) 9 9827.3230

Estelionatário que roubou famílias após tornado em Xanxerê é considerado foragido

23 de março de 2017 - 10:24 / Comunidade Tornado Xanxerê | Comentários
Estelionatário que roubou famílias após tornado em Xanxerê é considerado foragido Foto: Sirli Freitas/Agência RBS

 

No próximo dia 20 de abril completam dois anos desde a passagem do tornado por Xanxerê. Na época, diversas famílias, além de passar pelo sinistro, também foram vítimas de um estelionatário. O que mais gera indignação para estas famílias é que ninguém foi preso e elas não foram ressarcidas.

Relembre o caso:

Após o tornado, um homem se identificando como Valdir dos Santos, veio para Xanxerê, se dizendo ser de São Paulo e representante de uma Fundação e que a instituição se responsabilizaria pela construção das casas destruídas pelo fenômeno e, que as famílias teriam apenas que comprar os materiais. O suposto engenheiro, contratou pedreiros para que iniciassem as obras e não levantasse suspeitas sobre as suas ações, trabalhadores que também não receberam pelos dias trabalhados.

Valdir dos Santos, ludibriava as famílias dizendo que os materiais de construção poderiam ser comprados por um valor mais acessível em São Paulo e convencia as famílias a entregar o dinheiro da compra dos materiais para ele, quando então, desaparecia. Somente de uma família de Xanxerê, Valdir levou R$ 65 mil.

 

Andamento do processo

Ronaldo Françosi, advogado de Xanxerê e uma das vítimas do estelionatário e que acompanha o processo de perto, conta que todos os envolvidos foram ouvidos e hoje Valdir dos Santos é considerado foragido.

“O problema é que ele ainda está desaparecido, é considerado foragido. Surgiu até uma história de que este homem teria morrido em um acidente, mas nada confirmado, ninguém sabe ao certo o que aconteceu e as famílias ainda aguardam uma posição. Ele levou quase R$2 milhões das famílias xanxerenses e sumiu.

 

Demora do processo

Ronaldo conta ainda que agora o processo foi encaminhado ao Ministério Público. “O processo está na mesa da promotora para denúncia. O processo está sim sendo bastante demorado, nestes casos geralmente leva 30 dias quando o réu está solto, não dois anos, mas aqui demorou muito mais. Vários fatores contribuíram para isso, teve greve, teve a mudança do fórum em Xanxerê, falta de funcionários, o caso é complexo, me parece que o tempo está demorado demais”, diz.

 

Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário