(49) 9 9989.9002

Lipedema: uma causa pouco conhecida

4 de abril de 2018 - 08:41 / Informativo publicitário Xanxerê | Comentários
Lipedema: uma causa pouco conhecida Foto: divulgação
Edição especial Clínica Pró Circulação- Dr. Eduardo S. da Matta

 

O lipedema é uma alteração da distribuição do tecido gorduroso, pouco conhecida, que afeta exclusivamente as mulheres e acomete principalmente os membros inferiores. Conforme definido na década de 40, é um aumento de volume dos membros, simétrico, geralmente associado a um aumento progressivo do peso corporal, compromete exclusivamente as mulheres, frequentemente apresentando uma história familiar de casos parecidos, causando uma preocupação importante quanto à aparência estética dos membros.

Uma das características clínicas do lipedema é apresentar dor à palpação dos membros acometidos, e fragilidade capilar com equimoses (pequenos arroxeamentos) ou hematomas devido a mínimos traumas ou até mesmo espontâneos. Outra particularidade é haver acúmulo de gordura nos membros inferiores poupando os pés (aspecto de polainas).

A apresentação clínica e os sintomas levam os pacientes a receber diagnósticos errôneos, confundidos em muitos caso com linfedema (inchaço de origem linfática), obesidade, lipodistrofias e até mesmo insuficiência venosa crônica, desta forma aplicando tratamentos inadequados  e ineficazes.

Fatores como obesidade, imobilidade, insuficiência venosa, insuficiência linfática podem agravar o lipedema.

 

 DIAGNÓSTICO

O diagnóstico do lipedema é essencialmente clínico atentando para as características já citadas anteriormente, bem como uma assimetria da distribuição de gordura entre a metade inferior e superior do corpo, respondendo muito pouco ou nada à dietas e exercícios. Vale a pena salientar que o pé é poupado do acúmulo de gordura, tendo aspecto normal, salvo em casos mais avançados em que o quadro já evoluiu para um linfedema secundário, edemaciando (inchando) o pé.

O lipedema tende a evoluir com peso nas pernas, dificuldade de mobilização, desta forma levando a atrofias musculares e assim comprometendo o retorno de sangue. E assim podemos ter um quadro de insuficiência venosa secundária.

Outro fator de suma importância é o aspecto psicológico envolvido nestes casos afetando a autoestima do paciente, especialmente na atualidade em que se dá importância a corpos estilizados. Estudos mostram que as pacientes mostram dificuldades em encontrar uma roupa adequada, tem suas vidas sociais limitadas, prejuízo na vida sexual e até mesmo um comprometimento na carreira profissional.

Como podemos diferenciar o lipedema do acúmulo de gordura causado pela obesidade? Em primeiro lugar a obesidade afeta tanto homens quanto mulheres, ao contrário do lipedema que só afeta mulheres. A distribuição de gordura na obesidade é simétrica por todo o corpo enquanto no lipedema, é assimétrica, comprometendo os membros inferiores e quadril. Um paciente com lipedema pode ter peso corporal normal. Tratamento com dietas, gastroplastia entre outras formas de perder peso, não diminuem este acúmulo de gordura nos membros acometidos com lipedema. O lipedema geralmente se inicia após a puberdade enquanto a obesidade pode aparecer em qualquer idade.

 

TRATAMENTO

O uso de medicamentos não parece ter efeito no tratamento do lipedema, a não ser que haja edema (inchaço) associado, sendo que neste caso, pode ser utilizado medicamentos semelhantes aos usados no tratamento clínico de varizes. Analgésicos comuns podem ter uma pequena contribuição na hipersensibilidade dolorosa destes pacientes. Mas, o padrão ouro de tratamento se dá através da terapia compressiva adequada dos membros, associado com drenagens linfáticas. A compressão pode se fazer de muitas formas, tendo a compressão de curta elasticidade a melhor opção na fase inicial do tratamento. Já a manutenção do tratamento dependerá de cada caso.

A prática de exercícios, principalmente os de ganho de força, são de suma importância, uma vez que melhoram o funcionamento do sistema linfático e venoso.

Atualmente está havendo um crescimento importante na Europa de procedimentos de sucção do tecido gorduroso como opção do tratamento. Vale salientar que o procedimento busca resultados sintomáticos e não busca obter um padrão “normal”, estético das pernas. O retorno da gordura local é frequente, ou seja não é um procedimento curativo. As técnicas diferem das lipoaspirações tão frequentes no meio estético, uma vez que há riscos de lesão do sistema linfático e possível agravamento do quadro.

O esclarecimento ao paciente que esta é uma doença sem cura é fundamental para não haver frustrações quanto aos resultados, bem como suporte psicológico, tratamento e acompanhamento em serviço especializado para este fim, poderão melhorar a qualidade de vida destes pacientes.

 

Fonte: Documento de Consenso – Lipedema, 2018. Lito Gama SL, Barcelona.

 

Por: Direto da Redação

Deixe seu comentário