Promoção dia dos Pais

Ministério Público ouve envolvidos nas doações do tornado em Xanxerê

22 de novembro de 2017 09:18 | Comunidade , Tornado , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Ministério Público ouve envolvidos nas doações do tornado em Xanxerê (Foto: divulgação/Dado Oliveira)

 

O caso de investigação das doações do tornado que atingiu Xanxerê no ano de 2015, segue no Ministério Público. Algumas pessoas envolvidas já foram ouvidas, mas as oitivas continuam. Neste ano, a Câmara de Vereadores fez uma CPI, onde investigou e apontou diversas irregularidades, agora o MP deverá apurar se de fato as irregularidades existem.

O promotor de Justiça, Marcos Augusto Brandalise conversou com a reportagem do LANCENOTICIAS.com.br e apontou que algumas pessoas que trabalham na distribuição dos materiais de construção e doações foram ouvidas, mas que os dados não fecham com os que foram apresentados pela CPI, sendo necessário um novo levantamento.

“Ainda estamos na fase de instrução, semana passada foram ouvidas 15 pessoas. Em decorrência das oitivas, nós conseguimos identificar a dinâmica do controle e observamos que o relatório que está na CPI ela se refere ao valor que estava na conta bancária do depósito. Então, ouvimos a controladora interna do município e ela explicou que os dados da CPI são referentes a conta bancária, referente as doações de materiais de construção, essa não houve prestação de contas”, explica o promotor.

Relatórios

O promotor explica ainda que os dados elaborados pela administração na época, foram feitos, após a criação de um programa de controle por uma funcionária. “Uma técnica de informática elaborou um programa de computador para o controle alguns dias depois do tornado, mas o que foi doado antes não se tem os dados. Outra coisa que observamos é que como trocou no mínimo três vezes de pessoas que estavam lá na Femi, algumas delas não alimentavam este programa corretamente”, destaca.

Laudos

“Outro detalhe que não consta na CPI são os laudos que eram entregues pelos engenheiros às famílias atingidas, para que, com este laudo elas conseguissem ir até a Femi e retirar os materiais. “A gente precisa reformular todos os cálculos da CPI, precisamos analisar esses relatórios, quem fazia e de que forma”, salienta. O promotor diz ainda, que são três caixas de laudos que terão de ser analisadas minunciosamente.

Seis pessoas que teriam ganhado casa e materiais de construção.

Na CPI do Tornado não constava o nome das seis pessoas que teriam sido beneficiadas duas vezes. “Teremos as oitivas dessas pessoas em dezembro para saber se elas receberam duas vezes, e, depois precisamos conferir se isso era ilegal ou não”.

Servidor que teria ganhado materiais

“Pelo que ouvimos dos servidores e dos envolvidos, esse servidor realmente foi atingido, esse caso está mais claro. Se ele foi atingido não teria porque não ser beneficiado como os outros, mas ainda vamos ouvi-lo e ir em loco conferir”, finaliza o promotor.

Com isso, o caso segue sendo investigado. O próximo passo é conferir os laudos que a CPI não analisou, para ter os dados referente aos materiais doados.


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais