Promoção dia dos Pais

Motorista é condenado a 30 anos por morte de mãe e filha em acidente de trânsito

26 de novembro de 2016 07:42 | Comunidade , Polícia Compartilhar no Whatsapp
Motorista é condenado a 30 anos por morte de mãe e filha em acidente de trânsito Cristiano aguardava o julgamento preso (Foto: Jhonatan Coppini/Oeste Mais)

Acusado de provocar o acidente que causou a morte de uma adolescente de 15 anos e da filha dela, de apenas oito meses, em 2014 em Ponte Serrada, Cristiano Alves Pereira, de 29 anos, foi condenado nesta sexta-feira, dia 25, a 30 anos e quatro meses de prisão. A pena estabelecida foi por dois homicídios consumados por motivo fútil, dois homicídios tentados, omissão de socorro e violação da suspensão do direito de dirigir.

Cristiano já estava preso desde o dia 28 de setembro de 2014. O julgamento ocorreu ao longo desta sexta em Ponte Serrada. Ele vai terminar de cumprir a pena pelas mortes de Pâmela Ferreira da Cruz, de 15 anos, e da bebê Natally Vitória Ferreira da Cruz, de oito meses, em regime inicialmente fechado.

Mãe e filha ocupavam um VW/Gol que desceu uma ribanceira nas margens da BR-282 em Ponte Serrada. O acidente ocorreu no final da noite do dia 17 de setembro de 2014. Pâmela e Natally estavam no carro dirigido por Vanderlei Luis Menegat, de 25 anos, e seguiam de Ponte Serrada para Catanduvas. No veículo ainda estava a jovem Priscila Ferreira da Cruz, de 23 anos. Ela e o motorista sobreviveram.

Mortes por engano

De acordo com a denúncia do Ministério Público, Cristiano Alves Pereira, pensando que Vanderlei estava com sua ex-mulher, perseguiu o Gol com um Fiat/Palio por vários quilômetros. Já na altura da Curva da Santa, Cristiano, depois de ultrapassar o Gol, atravessou o Palio na pista para obstruir a passagem. Ele desceu com uma barra de ferro e começou a depredar o veículo, atingindo várias vezes o capô e o para-brisa do Gol.

Ainda conforme as investigações, com base em testemunhos das vítimas sobreviventes, Vanderlei conseguiu retornar em direção a Ponte Serrada, mas Cristiano reiniciou a perseguição, jogando o Palio para cima do Gol na altura do km 446 da BR-282. Os veículos desceram uma ribanceira de aproximadamente 15 metros, com Pâmela e Natally morrendo no local.

Teses

O Ministério Público pediu a condenação de Cristiano por homicídio doloso, quando há a intenção de matar, com base na tese de que o réu jogou o veículo que dirigia para cima do carro onde estavam as vítimas. Já a defesa trabalhou o tempo todo tentando desqualificar a versão, pedindo a absolvição de Cristiano, classificando inclusive como “hipóteses” o resultado das investigações ao longo do processo.

Pelo Ministério Público, o promotor Djônata Winter atuou na acusação. Cristiano foi defendido pelo advogado Ronaldo José Françoise. A juíza Liliane Midori Yshiba presidiu a sessão, que ficou lotada ao longo do dia, com fila se formando do lado de fora da Câmara de Vereadores de Ponte Serrada, onde ocorreu o julgamento. Familiares e amigos acompanharam todo o júri vestidos com camisetas em homenagem às vítimas. A segurança foi reforçada por homens da Polícia Militar.

(Oeste Mais)


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais