(49) 9 9827.3230

Psicóloga esclarece dúvidas sobre os casos de depressão

2 de setembro de 2017 - 18:02 / Comunidade Publicidade Xanxerê | Comentários
Psicóloga esclarece dúvidas sobre os casos de depressão Foto: Divulgação

A depressão é uma doença que acomete boa parte da população mundial, e traz diversos prejuízos na vida, no trabalho e relacionamentos de quem a possui. De acordo com às últimas estimativas da OMS (Organização Mundial da Saúde), realizada em março deste ano, mais de 300 milhões de pessoas vivem com depressão, o que representa um aumento de mais de 18% entre 2005 e 2015.

Confira algumas dúvidas que a Psicóloga, Janete Ribeiro, que atende na Clínica Resonare de Xanxerê, esclarece:

Apesar de as causas que motivam a depressão serem muito amplas, quais seriam as principais?

O que caracteriza estado depressivo e se diferencia de uma tristeza momentânea é a intensidade dos sintomas: um sentimento de vazio e de desespero que pode variar entre um curto período a um período mais prolongado. Percebe-se também, que as pessoas em estados depressivos afetam sua funcionalidade em diferentes áreas da vida. Atividades que antes eram prazerosas, neste período, se tornam algo sem graça. Outro sintoma corriqueiro e que pode confundir com cansaço ou estresse é o esgotamento físico ou mental por períodos intensos.

 

Como a pessoa pode saber que está com depressão? 

Conhecer a si mesmo é o melhor caminho, quanto mais se conhece, mais fácil fica de identificar o que há de errado. Triste sem motivo aparente, deixar de fazer as coisas que antes lhe agradava e hoje não traga mais prazer, evitar o convívio social por não conseguir conversar com as pessoas, podem ascender uma luz de atenção.

 

Isolamento e falta de ânimo são comuns?

Em alguns momentos o isolamento se faz necessário. Mas a intensidade e a duração do isolamento e falta de ânimo é que podem caracterizar algo patológico e prejudicial para cada indivíduo.

 

Pessoas que perdem uma pessoa próxima tendem a ter depressão?

Não necessariamente. Isso depende de pessoa para pessoa, de como cada pessoa lida com as perdas e de que maneira elabora o luto.

 

O que devem fazer familiares do depressivo?

O apoio familiar é muito importante. Por muitas vezes há um julgamento de que pessoas com depressão estão fingindo os sintomas ou que querem chamar a atenção. Contudo, este “chamar a atenção” realmente precisa de verdadeiro cuidado. Observar o familiar e ajuda-lo encontrar ajuda se faz necessário.

 

Situações de bullying, principalmente em crianças, provocam depressão?

Depende de cada caso e da intensidade, pode sim causar depressão e estresse emocional. O importante é estar sempre atento às mudanças de comportamento das crianças e adolescentes. Comportamentos como isolamento e apatia pela convivência social, podem ser indícios de depressão e estresse emocional.

 

Quando o depressivo não quer ser ajudado, o que é aconselhado fazer?

Não existe fórmula mágica para se fazer alguém neste estado a aceitar o tratamento. O convencimento de aceitação pode levar tempo e demanda de muita paciência dos envolvidos. Primeiramente, é necessário o reconhecimento da pessoa que está doente, e após isso, o apoio familiar e a confiança nos profissionais envolvidos, fazem uma grande diferença. Muita conversa e paciência são grandes aliados deste processo de aceitação de que se precisa ajuda.

 

Quais são as consequências que a Depressão pode causar na pessoa?

Depressão não tratada é como qualquer oura doença sem tratamento. Começa a afetar a vida social, trabalho, escola, relacionamentos e em alguns casos entra em jogo outras comorbidades, tais como: a dificuldade de superar doenças fisiológicas, o uso indiscriminado de álcool e drogas, e ainda, em alguns casos pode evoluir para o suicídio.

 

Como é feito o tratamento dessas pessoas?

Na maioria das vezes é necessária intervenção medicamentosa e psicoterápica, e em casos mais leves, apenas a psicoterapia surte bons resultados.

 

Janete Ribeiro – Psicóloga CRP 12/13269

 

Texto Divulgação Clínica Resonare

 

Por: Direto da Redação

Deixe seu comentário