(49) 9 9827.3230

“Vamos continuar cobrando nossos direitos”, comenta membro do MST sobre ocupação em Xanxerê

1 de fevereiro de 2017 - 10:47 / Comunidade Xanxerê | Comentários
“Vamos continuar cobrando nossos direitos”, comenta membro do MST sobre ocupação em Xanxerê Assentamento Marcelino Chiarello (Foto: Alessandra Bagattini/Lance Notícias)

 

Cerca de 300 famílias seguem assentadas nas terras do Acampamento Marcelino Chiarello, entre as comunidades de Vargem Bonita de Xanxerê e Santa Laura, de Faxinal dos Guedes, desde o dia 22 de agosto de 2016. O grupo alega que as terras da Fazenda Prezzotto, são do Incra e, por conta disso veem grande possibilidade de conseguir realizar reforma agrária no local.

O grupo já realiza a colheita de alguns produtos que foram plantados no local, estes são utilizados para o consumo próprio e também para a comercialização. Por hora eles aguardam um posicionamento do Incra sobre o destino das terras.

“ Nós estamos reunindo a direção, avaliando a situação, conversando com o pessoal do Incra, reafirmando a nossa reivindicação dessa área pública que tem que ser destinada para a reforma agraria, nós não vamos sair de lá. Eles (Incra) não definiram ainda, estão conversando, definindo, até por que tem dois lados: o nosso e o desse governo golpista que está lá para tirar direitos e tudo que já conquistamos. Mas, vamos continuar cobrando os nossos direitos, não abrimos mão dessa área que é pública, possui uma série de irregularidades e pedimos que essa terra seja passada em definitivo para o Incra, para que seja destinada a reforma agrária”, salienta Alvaro Santin, que faz parte da Coordenação Estadual e Nacional do MST.

Santin salienta ainda que o grupo está amparado e conseguira escola para as crianças e atendimento médico, na prefeitura de Faxinal dos Guedes. Hoje, passa ônibus no local pegando as crianças para levar até as escolas.

“As crianças estão estudando em Faxinal, temos saúde, na parte social, nesse ponto as coisas estão indo muito bem. No fim do ano passado fizemos o ato no centro de Xanxerê, agora estamos nos organizando internamente, o pessoal já está colhendo alguns produtos que foram plantados no local”.

 

Apoio da comunidade

Santin frisa que o movimento tem recebido muito apoio da comunidade, para que as terras sejam de fato destinadas à reforma agrária e seja realizado o assentamento no local.

“É importante destacar que nós temos recebido muito apoio, tanto da comunidade de Xanxerê quanto de Faxinal, todos comentam que apoiam o nosso acampamento, será mais produção, mais imposto, mais emprego… é uma área pública e nós seguimos nessa resistência”.

 

 

 

Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário