(49) 9 9827.3230

Vigilância Sanitária fiscaliza comercialização de amianto em Xanxerê

28 de agosto de 2017 - 10:40 / Comunidade Xanxerê | Comentários
Vigilância Sanitária fiscaliza comercialização de amianto em Xanxerê Vigilância fiscaliza comercialização de amianto no comércio de Xanxerê (Foto: Reprodução)

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou como constitucional a lei federal que permite a produção e a venda do amianto no país. A lei 9.055/1995 restringe a industrialização do produto, mas permite o tipo crisolita, usado na fabricação de caixas d’água e telhas. Em Santa Catarina, porém, o material está proibido desde 13 de janeiro pela lei estadual nº 179/2008. No Estado, há registro de 47 mortes por agravos à saúde relacionados ao mineral.

O amianto é um nome genérico para uma família de minérios encontrados na natureza e muito utilizados pelo setor industrial no último século por conta da abundância e baixo custo de exploração. Além disso, tem grande resistência mecânica e às altas temperaturas, ao ataque ácido, alcalino e de bactérias, também é durável, flexível e resistente.

Mas a exposição ao minério está relacionada à ocorrência de diversas patologias, malignas e não malignas. Ele é classificado pela Agência Internacional de Pesquisa (Iarc) no grupo 1 dos reconhecidamente cancerígenos para os seres humanos.

Fiscalização em Xanxerê

De acordo com Mauro Narciso, coordenador da Vigilância de Xanxerê, no município estão sendo realizadas as fiscalizações em comércios e residências.

“Nós estamos aguardando algumas orientações da Vigilância do Estado, para fazer algumas ações. A fiscalização está de forma discreta, porque tem questões técnicas, sociais e econômicas envolvidas, que aos poucos será mudado. Nesse primeiro momento, estamos com trabalhos de orientação, para a comunidade, para que se cumpra a legislação, sobre o uso de caixas e cimento amianto, telhados, nós estamos aos poucos orientando e coibindo isso”.

Mauro diz ainda, que existem muitas residências que possuem material de amianto e isso irá fazer com que a escassez do produto seja mais demorada.

“Existem muitas casas que tem essas substâncias, e se tem toda uma estrutura para que isso seja mudado, mas acreditamos que aos poucos as empresas não irão mais comercializar e os produtos com essa substância sejam escassos”.

Principais doenças relacionadas ao amianto:

Foto: Arte / DC

Asbestose

É causada pela deposição de fibras de asbesto, como o amianto, nos alvéolos pulmonares, provocando uma reação inflamatória, seguida de fibrose e rigidez, reduzindo a capacidade respiratória. Nas fases mais avançadas da doença, a incapacidade pode se afetar até a realização de tarefas mais simples e vitais para a sobrevivência humana.

Câncer

Estima-se que 50% dos indivíduos que tenham asbestose venham a desenvolver câncer de pulmão. O risco pode aumentar em 90 vezes caso o trabalhador exposto ao amianto também seja fumante. Câncer de laringe, do trato digestivo e de ovário também estão relacionados à exposição ao mineral.

Mesotelioma

É uma forma rara de tumor maligno, que comumente atinge a pleura, membrana que reveste o pulmão. O mesotelioma maligno pode produzir metástase em aproximadamente 25% dos casos. O amianto também pode causar espessamento na pleura e diafragma, derrames pleurais, placas pleurais e severos distúrbios respiratórios.

Com informações Diário Catarinense 

Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário