Coluna Viver Bem: ansiedade, como lidar com ela?

24 de agosto de 2018 09:47 | Viver Bem
Coluna Viver Bem: ansiedade, como lidar com ela?

Bom dia, hoje falaremos sobre ansiedade, um assunto delicado e muito presente na nossa vida. Considerada um transtorno mental, ela acomete cerca de 33% da população mundial, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ela é, basicamente, uma resposta do nosso corpo que age independente do nosso pensamento racional, como um reflexo, ou seja reagindo a períodos de estresse e assim nos preparando para fugir ou lutar em uma situação de perigo, ocorrendo a liberação de adrenalina, e consequentemente reações como:

  • Acelerar os batimentos cardíacos e contrair os vasos sanguíneos, para levar o sangue mais rapidamente.
  • Dilatar os brônquios, para aumentar a respiração e o consumo de oxigê
  • Diminuir a motilidade do intestino, para guardar energia para outras açõ
  • Dilatar as pupilas, para melhorar a visão mesmo em pouca luz.
  • Aumentar a liberação da glicose no sangue, para dar mais energia às cé

É normal as pessoas sentirem estados de ansiedade, no entanto quando sentida sem uma razão aparente, ela é perturbante. Este estado limita a tranquilidade e serenidade das pessoas, criando estados de medo, vigilância e stress a perigos que, por vezes, não possuem verdadeiramente a importância que lhe é dado.

O principal sintoma psicológico ligado a ansiedade é o medo. Preocupações exageradas e o medo de realizar certas ações com o receio de falhar trazem a sensação de impotência e podem afetar a autoestima, já que a pessoa deixa de cumprir tarefas possivelmente simples apenas por acreditar não ser capaz de fazê-las. O aprendizado e desenvolvimento também podem ser afetados, assim como a vida social, principalmente se a ansiedade aparecer acompanhada de timidez ou depressão. Confusão mental e dificuldades para relaxar e dormir também podem surgir. Outros sintomas podem aparecer como somatização, ou seja, a pessoa transforma a ansiedade em problemas físicos. A quantidade deles é extensa, mas os mais comuns são: falta de ar; coração acelerado, podendo ser acompanhado de dores no peito; mãos e pés úmidos; dores de barriga ou enjoos; falta de ar e tensão muscular.

Ela pode manifestar-se de várias maneiras: em forma de ataques de pânico, de fobias (medos específicos de altura, avião, situações sociais, etc), como conseqüência de uma experiência traumática (assaltos, acidentes, etc) e de maneira generalizada (quando os sintomas persistem constantes ao longo do tempo). Em todos estes casos é possível lidar com a ansiedade utilizando técnicas psicológicas e/ou tratamentos farmacológicos adequados.

É importante buscar ajuda ao perceber que a ansiedade parece fora de controle, mesmo que amigos e familiares não deem valor a essa dificuldade (muitas vezes, por falta de conhecimento).

Observe e de atenção a pessoas e amigos que apresentem esses sintomas para ajuda-los. A pessoa muito ansiosa sente um contratempo como se fosse uma catástrofe; sente que nada está sob o controle dela, esses contratempos podem ser os mais diversos: um telefone que não toca, um e-mail que não chega, um depósito que não cai, uma reação da pessoa ao que você acaba de dizer para ela.

Bom, para terminar, vou deixar algumas dicas aqui que podem ser uteis para aprender a lidar com a ansiedade, lembrando que ela é um distúrbio multifatorial e complexo e cada pessoa a sente da sua forma, procure um especialista, psiquiatra e/ou psicólogo para poder lhe ajudar melhor caso sinta que ela está fora de controle e atrapalhando as suas atividades e convivências diárias ok?

  • Aprenda a relaxar. As técnicas de relaxamento são úteis em relação a todos os sintomas ansiosos.
  • A respiração ansiosa é curta, concentra-se no peito. Por isso, mesmo no decorrer de uma crise de ansiedade, é necessário que se procure uma respiração completa e profunda.
  • Praticar esportes ou simplesmente caminhar são recursos úteis na diminuição da ansiedade e do estresse. Tente praticar algum esporte pela manhã
  • Evite café, cigarro, bebidas do tipo cola e outros estimulantes. Estas substâncias aumentam a ansiedade e desencadeiam ataques de pânico.
  • Se você tiver interesse em técnicas de meditação, saiba que lhe serão extremamente úteis no controle da ansiedade.
  • As pessoas ansiosas costumam ter pensamentos catastróficos a respeito de toda e qualquer situação. Observe seus pensamentos e, se lhe parecerem excessivamente catastróficos, anote-os e procure uma interpretação mais realista da situação.
  • Se sua ansiedade tiver começado após a vivência de uma situação traumática como assalto, estupro, etc., você deve procurar ajuda para enfrentá-la. Neste caso, evitar as situações relacionadas à experiência traumáticas também só piorará sua ansiedade e limitará sua vida.
  • Se a ansiedade é fóbica, ou seja, medo de um objeto ou situação que o obriga a evitá-la e acaba por limitar sua vida, é importante lembrar que o único meio de lidar com o problema é enfrentando-o. Se, aos poucos, enfrentamos estes “fantasmas” e nos reconhecemos capazes de lidar com eles (respirando fundo, por exemplo), o medo diminui e nos sentimos mais seguros. O que tecnicamente é conhecido como “terapia de exposição” consiste no planejamento desta aproximação à situação temida e a ansiedade associada a ela.
  • Quando a ansiedade aumenta em situações sociais, a melhor maneira de lidar com ela também é enfrentá-la. Não deixe de estar com pessoas por medo de uma crise de ansiedade. Tire o foco de si mesmo e pare de criticar-se. As demais pessoas podem ser interessantes e certamente também estão vulneráveis a críticas.

 

“Ansiedade é como uma cadeira de balanço, mantém você em movimento mas não o leva em lugar nenhum” (Autor desconhecido).

Daiana Dambroso (CRM/SC 20.681)

24/08/2018


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais