Ele será o prefeito

11 de agosto de 2016 07:56 | Rogério Côlvero
Ele será o prefeito

Todos os candidatos a prefeito quando pedem o voto aos eleitores garantem que “eu serei prefeito”. O eleitor fica na dúvida, mas o candidato não, pois está carregado de otimismo e esperança, uma lógica da campanha política, pois se o próprio candidato não acreditar nele mesmo e não agir assim, o que dirá ou pensará o votante. Assim, tanto Alessandro Antoniolli (PT), Avelino Menegolla (PSD), Adenilso Biasus (PMDB), quanto Evandro Berto (PSB) e Ivonir Sguissardi (PROS) têm chances de vitória no dia 2 de outubro e os cabos eleitorais até lá, defendendo o seu candidato e acreditando também, vão afirmar que “ele será o prefeito”.

Ele será o meu vereador

Pois então, vote nele. Diante de 60 prováveis candidatos a vereador –  número de acordo com a listagem da Méritus Pesquisa – vai ser difícil escolher os nove futuros ocupantes das vagas na Câmara de Vereadores de Xanxerê.  Tantos jovens novatos na política, já se apresentam como candidato, antecipando o pedido de voto ou talvez querendo garantir o voto, apesar de ainda não terem seus nomes oficializados. Porém, já têm cabos eleitorais e familiares dos candidatos,  afirmando com exagerado mas respeitado otimismo que “ele será o meu vereador”.

As visitas dos pré-candidatos

São visitas tidas como de “cortesia”, lógico, para evitar o descumprimento da Lei, mas já estão visitando empresários, comerciantes, famílias e entidades de classe, associações. Sei de um “candidato” que depois de quatro anos voltou a visitar o “ bom amigo”  e o comerciante visitado não estendeu a mão para cumprimentá-lo e mostrou-lhe a porta de saída. O político havia esquecido das promessas feitas na campanha passada. E assim, pode acontecer para muitos políticos que esqueceram os eleitores durante quatro anos. O eleitor criou coragem para dizer as verdades aos políticos e está dando o “troco”.

FALA POVO

– “O candidato a vereador deve contar seus votos a partir de casa, que tenha a certeza que os terá. No mínimo já contar com 100 votos  – caso contrário – poderá ser muito difícil.”

– “Um velho amigo, muito conhecido na cidade, foi lançado candidato a vereador. Tinha uma agenda na mão e cada voto prometido era anotado. Anotou 500 promessas. Na época 300 votos eram suficientes. Fez apenas 20 votos.”

– “Hoje, um amigo está usando a “era digital” para somar as promessas. Já tem cerca de 1.500 indicações de SIM.  Então, vamos aguardar se ele vai ocupar uma vaga na Câmara.”

– “O voto é secreto. Claro que uma pessoa tida como amiga não vai dizer não, não voto em você. Para isto é preciso ser franco e ter coragem para o SIM ou NÃO. “

– “E ainda tem àquela velha pergunta quando o eleitor é abordado para pedir o voto: “e o meu?” ( F.G.)

– “Agora estão dizendo que  ninguém se vende e ninguém compra. Que maravilha… se fosse verdade”. ( F.G.)

– Em outros tempos gasolina era a preferência dos eleitores. Na campanha se via rodando pelas estradas os velhos e barulhentos carros. E agora?

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais