Um “ponta pé no traseiro”

27 de maio de 2016 09:12 | Rogério Côlvero
Um “ponta pé no traseiro”

Há quem já analise a possibilidade da coligação tríplice – PMDB – PSDB – PSD – a ser formada em Xanxerê com vistas às eleições municipais. Depois da reunião realizada na empresa do ex-prefeito Avelino Menegola (PSD) com a presença de representantes desses partidos e de tantos outros conhecidos como partidos “nanicos”, começou a especulação inclusive, a necessidade de muitos, mas muitos cargos e secretarias para distribuir ao agrado de todos caso seja vitoriosa a tal Tríplice. Para quem faz a análise, é óbvio que o organizador do encontro deseja ser ele na cabeça de chapa, impreterivelmente, e os outros têm a responsabilidade de escolher um ou uma vice. O organizador deverá também, pelo óbvio, bancar a campanha. Durante o encontro alguém já lembrou: “o eleito deve oferecer os cargos e logo depois, diante das dificuldades financeiras, apresentar o pé e quem estaria no cargo entra com o traseiro, justificando um “ponta pé no traseiro” como o Miri já fez.

A Federal vai pegar o raposão

Finalmente há sinais que a Polícia Federal – via Lava Jato – venha pegar o raposão político José Sarney (PMDB) ainda pendurado no governo – democraticamente pelo voto, garante.  O Brasil ainda não conseguiu se livrar das ações políticas deste Senador.  O delator da Transpetro gravou com todos os seus “companheiros” e os entregou à Lava Jato. Chegou a hora da “giripoca” piar:  Sarney, Jucá, Renan e tantos outros que vêm por aí.

Dados cruzados em SC

Laboratório Tecnológico já funciona na Procuradoria-geral de Justiça em Santa Catarina. O Laboratório foi oferecido pelo Ministério da Justiça com as mesmas técnicas e equipamentos usados pela força-tarefa da Lava Jato instalada em Curitiba.  Eles cruzam os dados sobre a evolução patrimonial – inclusive dos políticos – registro de imóveis, embarcações, movimentações financeiras, viagens de aviões fretados, investimentos em bolsas e outros.  Já tem político com a “pulga atrás da orelha” se perguntando o que a Lava Jato procura em Santa Catarina.

Desistindo de ser candidato

Paulo Bornhausen (PSB) está desistindo da candidatura a prefeito de Itajaí, cidade que é reduto da família Bornhausen em SC. O PSD, partido amigo afirma estar “pendurado no pincel” com a desistência de Paulinho. Outro que está quase fora do páreo é o prefeito de Florianópolis César Souza Júnior (PSD) até então candidato a reeleição a prefeito da capital. Não justificou oficialmente sua intenção.

Juiz da Lava Jato é bonzinho

– O Juiz Sérgio Moro determinou a devolução de todos os bens de José Dirceu (PT) adquiridos com dinheiro de propina. Detalhe: uma casa no município de Passa Quatro (MG) onde mora a mãe do condenado, de 92 anos de idade ficará com ela até o final de sua vida. O juiz é bonzinho…

FALA POVO

– A vontade de voltar a ser prefeito é muito grande e a vaidade maior ainda. E a Polícia Federal o que diz do vaidoso?

– Os policiais militares envolvidos com a morte do advogado Roberto Caldart, em Palhoça, sujaram o bom nome da PM catarinense. Fora!

– Um grande empresário xanxerense perguntado se não seria candidato a prefeito, respondeu: “hoje a política virou um chiqueiro de porco e eu não quero feder a m. de porco”.

– Quando mais crise, desemprego, tristeza… mais cerveja e mais pinga.

– A junção de vários partidos para eleger um prefeito, gera promessas de cargos. Quanto mais partidos, mais cargos…

– Na capital já comentam que o PSD estaria retirando a candidatura à reeleição de César Souza (PSD) para apoiar Angela Amin (PP). Em troca, o PP não a colocaria como candidata a governadora em 2018. Todos sabem quem negociou…


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais