Vergonha

29 de junho de 2016 07:48 | Rogério Côlvero
Vergonha

 

O Ministro da Saúde, Ricardo Barros, da nova turma do governo interino de Michel Temer, veio a Santa Catarina para dizer que  “NÃO TEM DINHEIRO”. Gastou quanto em jatinho e mordomias de ministro para viajar com os minguados trocados dos cofres da saúde? Veio fazer o que? E faz o que lá em Brasília ostentando o cargo de Ministro? Volta prá casa seu Ricardo Barros não envergonhe mais o triste e roubado povo brasileiro que está nas filas das cirurgias, nos corredores dos hospitais a espera de atendimento digno. Só os hospitais filantrópicos de Santa Catarina acumulam dívidas de R$ 300 milhões com bancos, fornecedores e trabalhadores da saúde, resultado da falta de pagamento pelo Estado que espera o repasse do governo federal e vem esse Ministro dizer que NÃO TEM DINHEIRO.

Tite e seus milhões

O treinador Tite acertou um salário de R$ 600 mil reais por mês para treinar a Seleção Brasileira de Futebol. No Corinthians recebia R$ 400 mil. Se conquistar a Copa do Mundo em 2018, na Russia, vai ganhar um prêmio de R$ 5 milhões.  Será que Tite vai durar até 2018 como técnico da seleção?  A situação está difícil, será que o Brasil se classifica para a Copa-2018?

A Capital do Milho

Faz tempo que Xanxerê já poderia ter perdido o título de Capital Estadual do Milho –  não planta tanto milho quanto antes e claro, não plantando não colhe. A cultura do soja tomou conta das valorosas terras xanxerenses e trouxe uma preocupação sem precedentes para as agroindústrias da grande região Oeste pela escassez de milho para a ração dos animais. No passado, por volta da década de 80 o município tinha uma chamada muito bonita: “Xanxerê dos verdes dos pinheirais ao dourado dos cereais”. O milho era o cereal mais valorizado nas plantações, era o ouro desses cereais, o rei dessas colheitas. Hoje, lamentavelmente, de capital do milho, só ficou o título ou como já dizem “Xanxerê era a capital do milho”.

Sem feijão não dá

Quem pode comprar e pagar o quilo de feijão, tudo bem, mas quem não pode fica só na lembrança do sabor. Dizem os estudiosos que a dona de casa  pode substituir o feijão por lentilha, soja ou ervilha – tudo bem, os valores nutricionais podem ser iguais, mas o sabor do pretinho é inconfundível. Sabe-se que o clima prejudicou as plantações e aí vem a pergunta: neste Brasil tão gigante não se pode admitir a falta de feijão, em ?

Os três buracos na BR-282

Os três buracos na BR.282 que “apelidaram” de túneis para a passagem de pedestres e veículos pequenos,  para o bairro Vista Alegre e outros bairros próximos, agora ganharam outro apelido: “buracos do diabo”.  Ali se tornou um ponto de drogas e a população que se utiliza daquela passagem está assustada, principalmente à noite com o retorno para casa. Sabe-se que a Polícia está atenta as ações da malandragem naquele local, porém, é um ponto realmente inseguro e preocupante.

FALA POVO

-“Definida a candidatura de Luciane Carminatti (PT) para  a prefeitura de de Chapecó. O deputado federal Pedro Uczai, então, chutou a bomba para Luciane.” (J.A.)

-“Pergunta aí, e aquele dinheiro da Assembleia que o Merísio prometeu para os Hospitais, vai sair ou é só papo furado?” (M.C.)

-“Pode dizer que eu não voto em padre nem em pastor. Eles que vão rezar a missa e o culto deles e não se meter na política suja.”

-“Olha cara, se o Menegola for candidato a prefeito a nossa turma vai de voto útil com o Vigo”.

-“Gira em Brasília um papo que na Previdência Social eles também botaram a mão pesada…”

-“ O povo começou a entender: quando vai às compras, tá caro não compra. Assim, o mamão que custava R$ 5,80 o quilo já baixaram para a R$ 2,80. Se não levar, vai apodrecer na banca.”

-“ Perguntando: se o leite é cobrado dos consumidores R$ 4 reais e diz que vai para R$ 6, quanto a indústria que bota o leite na caixinha paga para o produtor? “

– “Na Inglaterra (país de primeiro mundo ) ainda têm leiteiros entregando leite em litro na porta das casas de madrugada”.

– “ Triste. Problemas na saúde, segurança, educação em SC e faltam dois anos e seis meses de governo Colombo. É muito triste.”

– Ministério da Cultura foi assaltado, roubado com a tal de Lei Rouanet. Tinha que acabar mesmo este ministério. Até  festa de casamento dos granfinos no Jurerê em Floripa foi paga com dinheiro do povo.

 

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais