Empresa não recolhe mais animais mortos de Xanxerê e gera preocupação para administração

7 de maio de 2019 11:51 | Visualizações: 334
Animais , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Empresa não recolhe mais animais mortos de Xanxerê e gera preocupação para administração Foto: divulgação

Em 2016, foi lançado o projeto de Lei nº 5.851 que disciplina o aproveitamento de carcaças de animais de produção e resíduos animais no campo para fins não comestíveis. Isso ocorre pois os produtores não podem enterrar estes animais mortos, seguindo a legislação.

No ano seguinte, em 2017 através de um projeto piloto no Brasil, o recolhimento e destinação das carcaças de animais do Oeste do Estado passou a ser realizado pela empresa Cbrasa de Seara, que atende 75 Municípios no Oeste Catarinense, nove da região do Alto Irani: Faxinal dos Guedes, Vargeão, Ponte Serrada, Passos Maia, Xanxerê, Marema, Xaxim, Lajeado Grande, Ipuaçu, resolvendo um constante problema das administrações.

A empresa realiza a coleta e a partir deles manufatura a gordura que é revendida para Biodiesel e produz farinha que atualmente só pode ser utilizada como adubo. Como o processo é de alto custo, o que a empresa busca é que seja possível a exportação da farinha, que segundo o gerente da unidade da empresa Cbrasa em Seara, Leonardo Biazus, é o mais rentável, porém para isso é necessário a assinatura da normativa junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Enquanto a empresa não consegue este selo, as atividades foram paralisadas, o que gerou um grande problema para os municípios.

– A empresa que faria esse serviço ela parou por 30 dias aguardando um selo do Governo Federal e se não vier eles irão encerrar as atividades. É bem complicada a situação. Vai ter uma reunião dia 17 em Rio do Sul, estamos trabalhando com a Fecam. A princípio a gente fica amarrado, a legislação diz que ano se pode enterrar o animal. O produtor precisa fazer dar uma destinação. Todos os prefeitos estão trabalhando junto para chegar a uma solução – comenta o secretário de Agricultura e Políticas Ambientais de Xanxerê, Edson Zape (Timão).


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais