Árbitro de Xanxerê conta desafios dos mais de 30 anos de experiência e histórias no campo

1 de novembro de 2018 16:41 | Cultura , Esporte em destaque , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Árbitro de Xanxerê conta desafios dos mais de 30 anos de experiência e histórias no campo Foto: Karina Ogliari/LanceNoticias

“Fui árbitro nacional apitando jogos do brasileiro, o primeiro árbitro do mundo a expulsar o jogador falcão e dei o último cartão amarelo para o Manuel Tobias, em Canoas no Rio Grande do Sul”. Essas são apenas algumas das histórias de Jorge Luiz Lima da Silva, árbitro de Xanxerê.

Árbitro há mais de 34 anos, Jorge realiza cursos oficiais da Federação Catarinense de Futebol. Hoje com 54 anos, o xanxerense já apitou em diversos jogos pelo Brasil como jogo da Seleção Paraguaia contra a Seleção Catarinense, final da Copa Brasil adulto de futsal, entre outros.

Natural do Rio de Janeiro, se mudou para Xanxerê para acompanhar os jogos do irmão na Chapecoense. Começou jogando na equipe do Tabajara, em Xanxerê, mas não durou muito tempo e Jorge buscou formação na área de arbitragem. “A paixão de ver alguém apitando o jogo sempre foi maior do que a de jogar”.

Decisão tomada, Jorge iniciou os cursos na Federação Catarinense de Futebol de campo e posteriormente de futebol de salão. Além da faculdade de Educação Física, para ser escalado em todos os jogos, a Federação Catarinense de Futebol exige que a pessoa participe de cursos todos os anos. “Se você não participa destes cursos a Federação não te escala, as regras do jogo mudam todo ano, por isso se faz necessário estar nestes cursos para poder apitar em campo”, explica Jorge.

Após esses cursos, a Federação Catarinense de Futebol de Campo e Salão divulga os árbitros que são escalados, em seu site, e nele podem verificar em quais jogos irão apitar e local. “O salário de um árbitro depende da quantidade de jogos que ele já apitou, e para apitar em diversos jogos a pessoa deve estar em constante aperfeiçoamento. Apitar em jogos fora do município, em jogos importantes, isso constrói a sua carreira”.

Confira alguns destaques da carreira do árbitro xanxerense:

– Participou da final do brasileiro na cidade de Dourados no Rio Grande do Sul
– Final do Sul Brasileiro na cidade de Pato Branco
– Jogo da seleção Paraguai com a seleção catarinense
– Final da Copa Brasil adulto de futsal
– Jogo do Criciúma
– Jogo do Figueirense
– Jogo da Chapecoense
– Seleção Paraguaia – Jogos internacionais
Além de mais de 20 copas amadoras em Xanxerê

“Na hora em que entro em campo, deixo as amizades de lado. Todos sabem da minha rigidez nos jogos, quando entro no campo não existe amizade porque estou ali para fazer o meu trabalho”, finaliza.

Atualmente Jorge está afastado em decorrência de uma cirurgia em sua coluna, decorrência de um acidente de automóvel na cidade de São Miguel do Oeste. “Agora não posso mais apitar em futebol de campo, apenas de salão ou futebol suíço, mas se Deus me der forças vou continuar por muitos anos, para mim o maior vicio é a arbitragem”.
Jorje finaliza explicando que em cada profissão devemos nos aperfeiçoar, para sempre conseguir dar o seu melhor.


Por: Karina Ogliari

Deixe seu comentário

Saiba Mais