Atividades técnicas do Corpo de Bombeiros são afetadas por falta de efetivo

8 de janeiro de 2019 08:24
Bombeiros , Comunidade , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Atividades técnicas do Corpo de Bombeiros são afetadas por falta de efetivo (Foto: Patrícia Silva/Lance Notícias)

A falta de efetivo é um problema enfrentado por diversos órgãos públicos, tanto estaduais como também federais e municipais. Como forma de tentar suprir isso, no ano passado, o Corpo de Bombeiros de Santa Catarina realizou um concurso público para a formação de 300 novos soldados que hoje atuam no Corpo de Bombeiros em todo o Estado.

Entretanto, de acordo com o comandante do 14º Batalhão do Corpo de Bombeiros, tenente coronel Walter Parizotto, os novos soldados que entraram para a corporação ainda não representam um ganho real de efetivo. Eles suprem a falta de bombeiros que saíram nos últimos cinco anos.

– Ainda não tivemos um ganho real, pois os bombeiros que entraram preencheram lacunas de militares que saíram da corporação nos últimos cinco anos em que não foi feito concurso. E, nessa distribuição de efetivo, no 14º Batalhão não ficamos com um número que desejávamos, ficamos com um número muito aquém. Estamos sofrendo com algumas ações. Sabemos que esse problema é severo em todo o estado, mas não recebemos o número de soldados que esperávamos – comenta.

Além disso, neste período de verão, a corporação fica mais deficitária de efetivo por conta do deslocamento de bombeiros para o litoral, que fazem parte da Operação Veraneio. De acordo com Parizotto, diante da falta de efetivo, são priorizados os municípios menores e mais distantes.

– Por conta disso, estamos priorizando os municípios menores e mais distantes. Em função da Operação Veraneio, temos que deslocar efetivo para Abelardo Luz, pois, ou mandávamos uma corporação para lá ou fechava o quartel. Priorizamos Quilombo, Campo Erê, São Domingos, em detrimento a cidades maiores. Faxinal dos Guedes ainda está com deficiência, permanece fechado alguns dias e em Xanxerê o número de soldados destinados para a corporação foi inferior ao que seria necessário – destaca.

Por conta disso, Parizotto comenta que atividades técnicas são afetadas, uma vez que o tempo de resposta poderia ser menor caso o efetivo fosse de acordo com a necessidade da região.

Diante disso, a expectativa, que deve aguardar até o segundo semestre deste ano, é que sejam convocados excedentes do curso, que venham suprir as necessidades dos quartéis.


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais