Com mais de 280 afilhados, benzedeira de Xanxerê mantém viva tradição religiosa

4 de junho de 2019 19:10 | Visualizações: 4517
Comunidade Compartilhar no Whatsapp
Com mais de 280 afilhados, benzedeira de Xanxerê mantém viva tradição religiosa Fotos: Patrícia Silva/Lance Notícias

Ajudar o próximo está no sangue de Evanira Pacheco. Literalmente. Portadora do sangue O negativo é doadora universal e ajudou a salvar a vida de muitas pessoas. Mas, ela é mais conhecida por outros feitos: criou oito filhos adotivos e há anos se dedica aos benzimentos.

Ela é natural de Santa Laura, em Faxinal dos Guedes, tem 70 anos e vive há, pelo menos, 50 no Bairro Castelo Branco, em Xanxerê. A sua casa é sempre cheia, todos dias tem visita e a procura é constante pelos benzimentos da Dona Evanira.

– Aprendi a benzer com 16 anos. Um velhinho estava morrendo e me chamou na beira da cama dele, me ensinou, eu anotei tudo em um caderno. Mas, eu era muito nova, tinha vergonha de benzer então ensinei a minha mãe. Toda a noite nós ensaiava o benzimento. Quatro dias antes dela morrer ela me pediu para seguir com os benzimentos. Desde então não parei mais – relembra.

Evanira benze de praticamente tudo, movida pela fé pessoas de diversas regiões que a procuram.

– Benzo de tudo, amarelão, ar, das bichas, rendidura, íngua de criança. Minha casa é sempre cheia, graças a Deus. Vem gente de Xavantina, Faxinal dos Guedes, de todo lado – comenta.

Com tantos anos dedicados à ajudar o próximo, o que Evanira mais ganhou foram afilhados.

– Vocês nem acreditam quantos eu tenho, são 284 afilhados, eu lembro de todo mundo. Tem casados, tenho afilhado que já é até avô. Eu sempre gostei de ajudar pessoas mais velhas, mas também criei oito, fora os meus quatro filhos que tive – finaliza.

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais