Completando 92 anos, maior dificuldade enfrentada pelo Corpo de Bombeiros é a falta de efetivo

26 de setembro de 2018 15:34 | Bombeiros , Comunidade , História , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Completando 92 anos, maior dificuldade enfrentada pelo Corpo de Bombeiros é a falta de efetivo (Foto: Patrícia Silva/Lance Notícias)

Neste dia 26 de setembro, Santa Catarina comemora 92 anos da implantação do serviço do Corpo de Bombeiros Militar. As atividades de socorro e combate a incêndios foram iniciadas efetivamente no ano de 1926, com a inauguração da Seção de Bombeiros da Força Pública, sediada na capital do estado. Naquela ocasião, a unidade dispunha de duas bombas a vapor e duas bombas de água manuais que abasteciam as mangueiras, além de escadas para acessar os andares superiores de edificações acometidas por incêndios.

Em Xanxerê, o Corpo de Bombeiros tem 16 anos de atuação e serviços prestados à comunidade. Hoje, o 14º Batalhão do Corpo de Bombeiros de Xanxerê conta com 108 bombeiros militares, sendo que Xanxerê tem 29 e o restante está distribuído nos quartéis de abrangência do 14º BBM. Ao todo, são cerca de 60 bombeiros em Xanxerê, entre militares, civis e comunitários.

Conforme o comandante do 14º Batalhão, tenente coronel Walter Parizotto, desde o início, o Corpo de Bombeiros já passou por muitas dificuldades. Ademais, agora a maior dificuldade enfrentada é quanto a falta de efetivo.

“Nós passamos por momentos em que tínhamos deficiências estruturais, falta de equipamentos, de instalações adequadas, falta de veículos. Não é a nossa realidade nesse momento, em Xanxerê. Aqui, temos uma forma inteligente de gestão onde os recursos são geridos no município e felizmente aqui temos tido a felicidade de ter uma gestão bem feita e conseguimos adquirir equipamentos e fazer reformas, como a nossa ampliação. Hoje, temos pelo menos três veículos parados por falta de motorista, então, o nosso problema é com efetivo. Em Xanxerê, temos 29 bombeiros militares, mas o ideal seria, pelo menos, 36”, comenta.

Agora, o estado está trabalhando com 300 novos soldados que irão se formar no mês de novembro para atuar nas corporações. Entretanto, eles devem apenas repor os lugares de militares que saíram de seus cargos.

“Não haverá ganho e nem reposição, vai ter um leve suspiro. O que o 14º Batalhão perdeu nos últimos anos, não será reposto em ganho real com os 18 que receberemos agora em novembro, é um número bem pequeno. Esses cerca de 300 bombeiros que vão se formar agora em novembro vão repor o que perdemos ao longo desses cinco anos”.

A expectativa é que, no próximo ano, sejam chamados os excedentes deste último concurso, para que se formem e também façam parte da corporação, pois, segundo Parizotto, os planos para Xanxerê são de adquirir equipamentos cada vez mais tecnológicos, mas que exigem efetivo para serem operados.

Parizotto agradece também a parceria das prefeituras, pois destaca que sem o apoio dessas instituições, ficaria mais difícil para as corporações realizarem seu trabalho. Além disso, diz se sentir privilegiado por fazer parte dessa corporação.

“São 92 anos, são poucas instituições no estado que ainda sobrevivem todo esse tempo e eu olho para o futuro e vejo que temos um caminho ainda pela frente e eu me sinto privilegiado de participar e ser ativo nessa história. De compor e saber que daqui alguns anos alguém vai se lembrar que a gente passou por aqui. Me sinto realizado pelo o que faço e dentro dessa corporação”, relata.

Hoje, o batalhão de Xanxerê é referência em diversos aspectos, sendo o principal deles o trabalho com cães. Uma vez por ano Xanxerê é sede de um curso de certificação internacional de cinotecnia.

Atualmente, são 135 municípios com o serviço do Bombeiro Militar, que tem um efetivo de cerca de 2.600 profissionais, entre praças e oficiais. Muitas atividades são realizadas em parceria estreita com a população por meio da formação de pessoas da comunidade no programa Bombeiro Comunitário, para atuação voluntária em parceria com os militares, nas mais diversas situações.


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais