Crimes passionais estão ligados diretamente a pessoas com transtorno de personalidade

27 de novembro de 2018 14:00 | Saúde , Segurança , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Crimes passionais estão ligados diretamente a pessoas com transtorno de personalidade Foto: Ilustração

Crimes passionais são noticiados diariamente pelas mídias, na maioria dos casos o agressor não é denunciado e o caso só vem à tona quando a vítima sofre um dano muito grande ou acaba falecendo. Em entrevista com a psicóloga Rosilei Lemes Vera, ela explica o que leva uma pessoa a atentar contra a vida de outra.

– Atendo algumas mulheres no meu consultório que relatam casos de violência com os seus parceiros. Quando se trata desse assunto temos diversos pontos para abordar, é uma questão complexa porque são dois lados de uma história – ressalta Rosilei.

Uma das questões ressaltadas são as brigas frequentes com descontrole, quando existe uma briga com o casal e com uso de drogas e álcool, essas alterações resultam na agressão de alguém.

– Tenho muitos casos de homens com perfis doentios, pessoas com transtorno de personalidade, e normalmente não são perceptíveis no início da relação. O agressor possui diversas personalidades, difíceis de identificar, e essas personalidades mudam gradativamente – frisa.

O perfil mais grave de transtorno de personalidade é o antissocial (psicopatia). Uma pessoa extremamente narcisista, em todos os sentidos, por exemplo, em um relacionamento ele deve estar satisfeito, não consegue se colocar no lugar do outro, uma pessoa totalmente egoísta e extremamente ciumenta, o ciúme patológico considerado um ciúme desconexo.

– A pessoa não tem controle das emoções, tem crises de raiva, desconfiança, cria e procura provas que remetam a traição. Quando a pessoa se dá conta disso ela até chora, mas depois volta a fazer tudo de novo – pontua.

Como o agressor é identificado?

Normalmente no início de um relacionamento não é possível identificar esses pontos elencados, por que a pessoa manipula e transparece ser algo que não é na verdade, em função do transtorno de personalidade. Quando a pessoa é conquistada o psicopata vê isso como uma posse, a partir daquele momento a pessoa pertence a ele e deve fazer as vontades dele.

– Porque a pessoa não consegue se desvencilhar do agressor? Por que o psicopata manipula emocionalmente sua vítima. Além do fato da pessoa temer pela própria vida, em função das ameaças e do medo – explica.

É muito comum as vítimas desenvolverem síndrome do pânico e até se suicidarem, em função da situação que se encontram, e do constante medo do que o agressor possa fazer se for denunciado.

– O agressor, mesmo tendo ciência das suas atrocidades, raramente procura ajuda, por ser egocêntrico e egoísta. Há casos extremos em que o agressor coloca a culpa na vítima, nestes casos não existe tratamento – finaliza.


Por: Karina Ogliari

Deixe seu comentário

Saiba Mais