Economista revela: a festa acabou!

16 de junho de 2016 12:14
Comunidade Compartilhar no Whatsapp
Economista revela: a festa acabou! "A evolução e o conhecimento humano não foi proporcional a evolução tecnológica". (Foto: Alessandra Bagattini/Lance Notícias)

“O dinheiro vale muito, tanto que a maior dificuldade hoje é ter dinheiro”.

Em tempos de crise econômica é nítida a imagem de empresas fechando e, a taxa de desemprego em aumento.  A maior parte da população xanxerense e da região já sentem na pele os índices desta crise. Para ter maior conhecimento sobre isso, Celito Pandolfi, economista do município relata sobre o caso.

“Para entender a crise brasileira temos que entender mais de um fator, primeiro esta crise é a pior crise vivida na economia do Brasil, porque ela não é uma crise interna ela é mundial.  Quando os clientes de todo o mundo que são os países da Europa, passam por problemas de crise, eles compram menos e abalam a condição interna brasileira. A maior crise não é a crise interna é a externa. Porém tem outro fator agravante que é a forte corrupção que impediu o crescimento do comércio, da indústria, daquilo que movimenta o Brasil. ”

Hoje ir ao supermercado ou em lojas do comércio sem gastar muito é uma dificuldade. “Por ser uma crise de um país globalizado, nós temos que aprender que ela continua diante do mundo. As pessoas comentam que o dinheiro não tem valor, mas é ao contrário, o dinheiro vale muito, tanto que a maior dificuldade hoje é ter dinheiro”.

Celito comenta sobre a crise que o Brasil enfrenta: “hoje temos duas crises, da macroeconomia que é a crise na indústria, nesta vemos muitas dificuldades, são industrias fechando por queda das vendas, como os funcionários não custam barato, com a queda das vendas a única alternativa é mandar embora. Hoje 75% da economia de Xanxerê está envolvida em micro e pequena empresa, ou seja, comércio e prestação de serviço eles que sustentam a cidade. Porém a microeconomia é diferente, envolve normalmente a família, eles só contratam os funcionários para ajudar, a flexibilização da empresa é mais fácil. A economia prepõe entrada e saída de dinheiro, esse dinheiro é revestido em investimento e essas empresas conseguem fazer isso”.

Hoje a globalização da economia é focada no serviço e no atendimento e foi através disso que se trouxe a meritocracia. “Hoje você só vai ter vaga no mercado de trabalho se você dar lucro para a empresa. A tecnologia evoluiu, só que a evolução e o conhecimento humano não foram proporcional a evolução tecnológica. Os jovens aprendizes abandonaram a leitura pelo celular, as pessoas querem arrumar um serviço ganhando bem, mas única saída para você ter um mercado de trabalho a disposição é você estar envolvido pela meritocracia, pois se você não for capaz de dar lucro para sua empresa, não vai arrumar emprego em Xanxerê”.

O economista ainda revela que no município não tem desemprego tem desempregados. “Xanxerê não tem desemprego tem desempregados e isso existe por questões como: abandonar estudos, não fazer treinamentos pois a única forma de você arrumar um emprego é a capacitação, investir em estudos, cursos, treinamentos e principalmente a leitura. Não existe um recém-formada ganhar um salário bom se não enfrentar uma prova e nessa prova, para passar você precisa ter foco. Não vai mais existir emprego nem com salário mínimo se você não for especialista naquilo que você faz. Ou você se dedica ou não existe oportunidade”.

Celito ainda relata que hoje quem gera economia no munícipio é a micro pequena empresa que está sendo gerenciada pela família e só contrata pessoas capacitadas e que a tendência é que a taxa de desemprego aumente, “O desemprego vai ser maciço, tem pessoas que são viciadas pelo “celular”, não sou contra aparelho e tecnologia, agora partir do momento que troco a tecnologia pelo conhecimento, não tem mercado”.

O economista finaliza, “As empresas não têm condições de manter um recurso humano que não dar lucro, acabou a festa, ou você compete com sabedoria e conhecimento ou você está fora do mercado de trabalho”.


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais