Enquanto o PIB do Estado aumentou, Xanxerê fica abaixo da média

8 de novembro de 2019 18:22 | Visualizações: 3340
Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Enquanto o PIB do Estado aumentou, Xanxerê fica abaixo da média Foto: Dronar

O Sebrae promoveu um estudo técnico que analisou a economia e o desenvolvimento de Xanxerê. Segundo o IBGE, em 2015, a soma em valores monetários de todos os bens e serviços finais produzidos por Xanxerê alcançou um montante de R$ 1,3 bilhão. O PIB deste município apresentou um ritmo de crescimento bastante inferior à média estadual, o que significou a redução de sua participação de 0,7% em 2011, para 0,5% do PIB catarinense em 2015.

 

 

 

Em 2015, segundo dados da Secretaria de Estado do Planejamento de Santa Catarina, 5,4% do PIB xanxerense estava ligado à agropecuária, 19,2% à indústria, 16,9% ao comércio e 34,5% ao segmento de prestação de serviços. A administração pública e os impostos representavam 23,9%.

 

 

Em 2015, o PIB per capita de Xanxerê alcançou o valor de R$ 27.643,00, o 123º de Santa Catarina. No comparativo deste indicador, o município ficou abaixo da média catarinense.

 

 

Comércio Exterior

Do ponto de vista do comércio internacional, Xanxerê registrou em 2017 uma corrente de comércio de US$ 22,5 milhões, com elevação de 59,3% sobre 2011, quando atingiu US$ 14,1 milhões. As exportações encerraram 2017 com um valor de US$ 6,3 milhões e as importações, com US$ 16,2 milhões. Em relação a 2011, as exportações apresentaram alta de 46,3%, e as importações, uma elevação de 64,9%. Com esse desempenho, a balança comercial do município fechou 2017 com um saldo negativo de US$ 10 milhões.

Em 2017, segundo dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as exportações de Xanxerê foram realizadas por dez empresas.

 

Empresas e Empregos

 

No que diz respeito ao estoque de empresas e empregos, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego, relativos a 2016, Xanxerê contava com 4.036 estabelecimentos que totalizavam 14.601 empregos formais.

Em 2016, as empresas de micro e pequeno porte representavam 99,4% dos negócios do município. As MPE foram responsáveis por 65,2% dos postos formais de trabalho. Entre 2011 e 2016, o estoque de empresas registrou uma taxa média anual de crescimento de 1,0% ao ano, resultando no incremento de 204 estabelecimentos em relação ao primeiro ano.

Nesse período, a evolução do número de empregos formais registrou uma taxa média de 1,9% ao ano, que significou a agregação de 1.310 postos formais de trabalho. As páginas a seguir apresentam indicativos a respeito da evolução e perfil do estoque de empresas e empregos.

 

 


Por: Patrícia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais