Expoleite Beef Show – O sucesso da primeira feira indoor do Estado

5 de julho de 2016 09:04
Comunidade , Evento , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Expoleite Beef Show – O sucesso da primeira feira indoor do Estado Xanxerê sediou a feira expo leite (Foto: Divulgação)

Realizar uma feira indoor, nos moldes das melhores feiras internacionais, tomando como exemplo as feiras canadenses, essa foi a proposta que Jeferson Luiz Piccoli apresentou para o presidente da Associação dos Criadores de Bovinos de Xanxerê, Vitacir Rossignol.

Um projeto ousado, mas que recebeu todo o apoio da Associação, com uma única condição: Piccoli teria que assumir a frente do projeto, “O Jeferson nos trouxe um projeto ousado, mas entendemos que era o momento de fazer uma feira diferente para o criador. Santa Catarina ainda não tinha sua feira indoor, acreditamos que seria uma oportunidade de fazer algo diferente, de qualidade, que poderia ser um marco na história das feiras no Estado. Mas precisávamos de um comandante para esse projeto, então lancei o desafio ao Jeferson: ele teria que ser o presidente da Comissão Organizadora”, informa Rossignol.

Os resultados superaram a expectativa

Além dos resultados para os criadores, expositores e organizadores da feira, algumas conquistas superaram a expectativa e atenderão as necessidades de toda a categoria.

A primeira conquista foi apresentada na solenidade de abertura, quando o deputado estadual Maurício Skudlark repassou ao presidente da Associação de Xanxerê, Vitacir Rossignol, uma emenda de R$ 250 mil para a construção das mangueiras na pista de arremate do Parque de Exposições Rovilho Bortoluzzi. Segundo Vitacir, a pista existe há 32 anos e nunca recebeu uma reforma. Já estava sem condições de uso e agora vai fazer a diferença nos negócios da categoria, “Vamos construir 40 mangueiras que dá para aproximadamente 450 animais que entrarão em pista para leilão. Nós pretendemos fazer três leilões por ano, dois leilões de gado geral e um de reprodutores, que já está no calendário do ano que vem. Isso representa um volume financeiro de cerca de R$ 2 milhões por ano, movimentando a região e todo o Estado”, acrescenta Rossignol.

Outra conquista foi a promessa de inclusão da Expoleite no calendário oficial do município. Vitacir fez publicamente a solicitação ao prefeito Ademir Gasparini, que aceitou e prometeu incluir no calendário Oficial. O vereador Fernando Callfass informou que na primeira sessão da Câmara vai apresentar a indicação para oficializar a inclusão do evento no calendário do município.

Os números finais justificam uma nova feira

O presidente da CCO, Jeferson Luiz Piccoli, se mostrou satisfeito com os números da feira: “A feira superou nossas expectativas. Tivemos mais de cinquenta criadores, cerca de 400 animais das raças Jersey, Holandês e Angus. Foram 46 empresas presentes, sem contar as de alimentação. Estimamos uma participação de 40 mil visitantes nos quatro dias de feira. Em termos de negócios, tanto na comercialização de animais, quanto das máquinas e equipamentos, a cifra superou a casa dos R$ 10 milhões.

Participação dos animais sem registro

Piccoli destaca que um dos diferenciais da Expoleite foi a grande participação de pequenos produtores, com animais sem registro, “Temos no estado muitos produtores que ainda não estão vinculados a nenhuma entidade da categoria e isso não é bom. Não é bom para as entidades, mas principalmente não é bom para o produtor. Ele perde a oportunidade de mostrar a qualidade dos animais, de comparar seus animais com os de outros produtores e conhecer o que tem de inovação e de tecnologia. É também uma oportunidade para promover a integração deste criador com aqueles que já possuem maior experiência em feiras”.

A qualidade desses animais e o resultado do trabalho dos produtores ficou evidenciada no julgamento dos animais sem registro, realizado no segundo dia de feira.

Maurício Luiz da Rosa Santolin, zootecnista, jurado oficial da raça Jesey, membro do Conselho Técnico da Associação de Gado Jersey do Brasil e diretor da Associação de Criadores de Gado Jersey do Paraná, que atuou no evento como jurado dos animais sem registro, destacou a qualidade dos animais, “O que a gente viu aqui em pista foi muita qualidade. Animais bem conformados, com muita aptidão leiteira, aquilo que a gente busca numa novilha. Encontramos aqui nos animais jovens as aptidões que vão levar ao animal adulto a ter grande produção. Isso significa que com o tempo os resultados vão aparecer, dando os frutos econômicos e financeiros nas propriedades da região.”

Antes da apresentação dos animais, os criadores assistiram a uma palestra realizada pelo médico veterinário Claudio da Cruz Aragon, jurado internacional, que repassou aos produtores os critérios que um jurado utiliza para avaliar os animais. Píccoli ressaltou que alguns criadores estavam participando pela primeira vez de um julgamento, por isso a palestra foi de suma importância.

Formação da equipe e busca de apoio

Desafio aceito chega o momento de montar a equipe de trabalho. Segundo Piccoli, as pessoas mais próximas foram imprescindíveis para o sucesso do evento: “O trabalho começou muito antes do evento, no planejamento e preparação de todas as atividades. A equipe de trabalho merece meus agradecimentos e mérito pelo sucesso do evento. A Flaviana Fragoso realizou um excelente trabalho na área administrativa, fazendo contatos, cuidando da documentação, dedicando horas além das suas horas de trabalho. O médico veterinário José Roso, que nos deu total apoio, inclusive se colocando, voluntariamente, como responsável técnico do evento. O Vitacir também foi fundamental. Mais que um amigo, o Vita se mostrou um grande irmão. Não mediu esforços para que o evento se tornasse realidade. E durante o evento, tivemos grandes jurados, os preparadores, as meninas que atuaram no julgamento, o pessoal da limpeza, enfim, são muitas pessoas que se envolveram e merecem nosso reconhecimento”.

Além do apoio voluntário, Piccoli destacou as empresas que foram destaque no apoio ao evento, “Tivemos muitas empresas que apoiaram o evento com patrocínio, mas preciso destacar duas em especial. Primeiro a Sulcredi, que patrocinou o trabalho com os animais sem registro. Foi um marco nos eventos em Santa Catarina, pois os pequenos produtores tiveram a oportunidade de participar pela primeira vez de um evento ‘rankiado’. Também quero reconhecer o apoio da Ordemilk. Toda vez que precisávamos de um equipamento a Ordemilk nos socorreu imediatamente. Precisa de um ventilador, a Ordemilk providencia, precisa de uma ordenhadeira, o pessoal vai atrás da Ordemilk, e na Expoleite eles ainda disponibilizaram seis funcionários para ajudar na feira, tudo gratuitamente”.

Participação da raça Angus

Durante o evento participaram 58 animais da raça Angus, animais destinados para o corte. Segundo o presidente do Núcleo Catarinense de Criadores de Angus, Dorival Carlos Borga, destacou a importância da participação na Expoleite, “Nós temos o interesse, sempre muito grande, em expor na região oeste e meio oeste de Santa Catarina, pela abrangência da região e pelo potencial de crescimento que a raça Angus tem no estado de Santa Catarina e no Brasil. Nós acreditamos na força do oeste do estado e Xanxerê é uma área estratégica para a multiplicação e propagação da raça Angus. A Expoleite Beef Show está na sua primeira edição, mas já está ‘rankiada’ pela Associação Brasileira de Criadores de Angus. Nós temos duas exposições ‘rankiadas’ pela Associação: a Expoleite, em Xanxerê e, em outubro a Expolajes, em Lajes”.

Borga ressaltou o nível dos criadores e dos animais presentes na feira, “Estamos aqui com cinco criadores, a elite do Angus do Estado de Santa Catarina está aqui. Temos aqui os melhores exemplares, animais oriundos da transferência de embrião que vieram dos EUA, da Argentina, do nosso vizinho Rio Grande do Sul e já temos animais oriundos dos criatórios de Santa Catarina. A genética estamos produzindo aqui é uma genética padrão Brasil. Animais excelentes que já podem ser comparados com os animais do Rio Grande do Sul”.

Nelson Eduardo Ziehlsdorf, presidente da Associação Catarinense de Criadores de Bovinos também destacou a presença da raça Angus, “Este evento começou a ser programado e planejado em outubro de 2015, quando tivemos uma reunião com o Vitacir, presidente da Associação de Xanxerê e com o Jeferson, diretor de eventos da ACCB, e começamos a trabalhar o conceito de uma feira indoor, uma feira diferente, inovadora no estado e conseguimos agregar as duas raças leiteiras mais importantes do Brasil, o Jersey e o Holandês e o Angus, a raça de corte que mais cresce no Brasil. Isso foi realmente uma inovação no estado de Santa Catarina”.

A qualidade dos animais foi um atrativo a parte

A Expoleite Beef Show 2016 contou uma equipe de jurados de renome nacional e internacional: o veterinário Claudio da Cruz Aragon, jurado internacional; o zootencista Maurício Luiz da Rosa Santolin, jurado oficial da raça Jersey e membro do Conselho Técnico da Associação de Gado Jersey do Brasil; o engenheiro agrônomo Átila Leães Dorneles, jurado, assessor genético e criador de animais da raça Angus e o médico veterinário Fábio Fogaça, membro do Conselho Brasileiro de Jurados Oficial das Raças Jersey, Holandesa e Pardo Suíço e jurado do primeiro Circuito Nacional da raça Jersey.

Na opinião dos experientes jurados, os animais apresentaram um nível excelente de qualidade.

Aragon, que realizou a palestra de abertura, elogiou a organização e iniciativa de trazer os animais sem registro: “Estamos prestigiando a Expoleite, muito bem organizada. A ideia de trazer animais sem registro foi muito oportuna, trouxe muita gente nova para dentro da Feira. E nível dos animais, tanto no Jersey quanto no Holandês está muito bom, ótima genética e qualidade”.

O médico veterinário Fábio Fogaça ressaltou a genérica dos animais: “Agradeço ao Jeferson pela oportunidade de participar desse grande evento. Temos aqui animais de muita qualidade em praticamente todos os animais. A genética, a qualidade dos animais aqui refletem o excelente trabalho dos criadores”.

O engenheiro agrônomo Átila Leães Dorneles relatou que o nível dos animais encontrados na feira foi superior aos relatos que recebeu,  “Já tinham me falado do nível que estava Santa Catarina, o nível dos animais criados aqui, mas eu posso dizer para vocês que o nível dos animais aqui realmente me surpreendeu. Acho que a gente conseguiu reunir aqui nesta feira um nível excelente, desde a terneira menor até a vaca adulta, todas apresentam, a qualidade necessária para uma vaca Angus”. (Ass. Com./VSD Marketing & Comunicação)

Angus

Animais sem registro


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais