Pittol
Pittol

Falta de leitos na UTI neonatal e pediátrica é tema de reunião do MPSC com a Secretaria de Estado da Saúde

A reunião foi requerida pela 10ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital a fim de acompanhar as estratégias do Estado para garantir o atendimento da população infantil

Jéssica K Turelli | Saúde | 09/06/2022 11:04
Falta de leitos na UTI neonatal e pediátrica é tema de reunião do MPSC com a Secretaria de Estado da Saúde
Compartilhar no Whatsapp
Visualizações: 14551

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) reuniu-se, no final da tarde de segunda-feira (6/6), com a Secretaria de Estado da Saúde para tratar da garantia de atendimento da população infantil de Santa Catarina em UTIs neonatais e pediátricas. A reunião foi requerida pela 10ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital, que instaurou um inquérito civil para apurar a falta de atendimento noticiada nas últimas semanas.

Na reunião, o Promotor de Justiça Sandro Ricardo de Souza, titular da 10ª Promotoria de Justiça, e os Promotores de Justiça Douglas Roberto Martins e João Luiz de Carvalho Botega, coordenadores dos Centros de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e da Infância e Juventude e Educação do MPSC apresentaram ao Secretário Estadual da Saúde, Aldo Baptista Neto, a preocupação do Ministério Público com a situação atual do sistema de saúde pública catarinense, em especial a falta de leitos de UTIs neonatais e pediátricas.

O Secretário e sua equipe reconheceram a necessidade histórica de mais leitos de UTI Neonatal e Pediátrico no Estado, porém atribuíram o cenário de maior preocupação deste ano, com maior sobrecarga do sistema, a alguns fatores, como baixos índices de vacinação de crianças e adolescentes, o fato as crianças estarem mais, ao contrário dos últimos dois anos, expostas às doenças respiratórias – seja porque estavam em modelo híbrido de ensino, seja porque havia cuidados mais específicos em relação doenças respiratórias (uso de máscara, distanciamento, ventilação nos ambientes) – e limitação do horário de atendimento nas unidades de saúde dos municípios mais impactados, o que sobrecarrega o sistema hospitalar.

A Secretaria de Saúde detalhou as ações de planejamento para enfrentar o problema da elevada taxa de ocupação dos leitos de UTI pediátrica e neonatal, basicamente com três pilares: criação de novos leitos, aporte financeiro aos municípios para que incrementem os atendimentos nas unidades básicas de saúde e unidades de pronto atendimento e a intensificação da campanha de vacinação.

O Secretário de Saúde também informou que irá montar um Gabinete de Crise, no mesmo modelo do criado para acompanhar os momentos mais críticos da pandemia – um centro de operações de situações de emergência – e que irá convidar o Ministério Público para participar desse trabalho.

— Agora nós vamos acompanhar a execução desse planejamento, que nos parece adequado no primeiro momento. O Ministério Público também se coloca à disposição de auxiliar naquilo que for preciso, no âmbito de nossas atribuições, sem nos abstermos de aplicar medidas extrajudiciais ou judiciais quando necessário— destacou Sandro Ricardo de Souza.

O coordenador do Centro de Apoio Operacional da infância e Juventude e Educação do MPSC também manifestou a necessidade de um compartilhamento mais profundo de dados, a fim de subsidiar as Promotorias de Justiça de todo o Estado na resolução de questões localizadas, sobretudo quanto à ocupação dos leitos e à cobertura vacinal de crianças e adolescentes.

— Pretendemos trazer algumas informações também para o nosso painel de BI, o que permitirá uma análise pontual e imediata da situação. Nossa ideia é, além da ampliação emergencial dos leitos, fortalecer as redes de atendimento nos municípios por meio da atenção básica, que poderá evitar o agravamento do quadro clínico e reduzir a necessidade de leitos de UTI— completou Carvalho Botega.

Já o Coordenador do centro de Apoio Operacional da Cidadania e Direitos Humanos do MPSC ressaltou que é importante estabelecer o que vai ficar desse planejamento emergencial para o próximo ano.

—Trata-se de uma situação sazonal, porém recorrente, o que afasta a possibilidade de ser tratada como imprevisível, pelo contrário, há uma grande possibilidade de ela acontecer novamente nos próximos invernos, o que exige que essas medidas emergenciais sejam em algumas medidas tornadas permanentes— completou Douglas Martins.

Todas as informações repassadas pela Secretaria de Estado de Saúde passam a instruir o inquérito civil da 10ª Promotoria de Justiça.

—O procedimento tem o intuito primário de buscar uma solução célere para a falta de leitos, reforçando o diálogo entre os órgãos públicos e outras entidades, como o Conselho Regional de Medicina, em prol das crianças que têm, constitucionalmente, o status de prioridade absoluta do Estado— finalizou Sandro Ricardo de Souza.

 

Em Chapecó segundo o boletim emitido na quarta-feira  (08) existem filas para garantir leitos de UTI neonatal e pediátrica no Hospital Regional do Oeste.

Confira o boletim na íntegra:

Boletim de ocupação no HRO e HC nas últimas 24 horas

08/06/2022 a 09/06/2022

HOSPITAL REGIONAL DO OESTE

Atendimentos no Pronto Socorro HRO nas últimas 24 horas: 152.

Internações – total geral: 298.

01 paciente na recuperação aguardando leito de UTI.

Internações de Ortopedia das últimas 24 horas: 05.

Partos e cesárias das últimas 24 horas: 09.

Paciente ventilação mecânica fora da UTI: 06.

UTI adulto: 20 (100%)

UTI Pediátrico: 05 (100%)

UTI Neonatal: 10 (100%) + 1 aguardando leito

HOSPITAL DA CRIANÇA AUGUSTA MÜLLER BOHNER

Atendimentos no Pronto Socorro HC nas 24 horas: 214.

Internados –  total geral: 39.

Em Xanxerê o Lance Notícias entrou em contato com a Assessoria de Comunicação do Hospital Regional São Paulo que não manifestou dados sobre a situação das UTIs no município.

Os últimos dados divulgados pelo HRSP foram na sexta-feira, dia 3 de junho com os seguintes números:

— Hoje, dia 03 – 25 internados neste momento – 11h

Ontem (02), chegamos a ter 29 internados na Emergência; o total de atendimentos do dia, foi de 129 pacientes na Emergência—. 

Leva-se em consideração o apelo feito na última semana devido a superlotação do setor de emergências do hospital.

Relembre:

Vídeo: HRSP está com superlotação no setor de emergências

Com informações do MPSC

Deixe seu comentário

Acesse nosso grupo de notícias