Fórum de Competitividade discute prioridades para a região Oeste

13 de junho de 2016 09:57
Comunidade , Economia , Infraestrutura Compartilhar no Whatsapp
Fórum de Competitividade discute prioridades para a região Oeste Prioridades foram debatidas e serão formalizadas em um documento que será entregue às autoridades competentes (Foto: Divulgação)

O Fórum de Competitividade e Desenvolvimento para a Região Oeste de Santa Catarina se reuniu no fim do mês de maio para dar encaminhamentos às necessidades dos 118 municípios que compõem o Fórum. Os integrantes identificaram as principais demandas e na reunião foram definidas as prioridades. Elas foram analisadas e sistematizadas considerando curto, médio e longo prazo conforme oito temas: rodovias federais e estaduais; ferrovias; aeroportos; energia elétrica; tecnologia e inovação; comunicação; saúde; e agricultura. O presidente do Fórum, Ricardo Antônio de Marco, explica que os dados serão tabulados e, depois, será elaborado um documento único da região para ser entregue às autoridades competentes.

Entre as prioridades em curto prazo para rodovias estão: construção de terceira faixa em trechos da BR-282 e sua duplicação nos trechos urbanos, duplicar a BR-282 de Dionísio Cerqueira até a BR-470, revitalizar a SC-283 entre Concórdia e Chapecó e melhorar e duplicar as rodovias vicinais. Também está inclusa em curto prazo a implantação da ferrovia oeste-litoral (Ferrovia do Frango), em médio prazo a implantação da Ferrovia Sul-Norte, ligando o Porto de Rio Grande a Panorama (SP) e em longo prazo a construção do corredor multimodal bioceânico.

Outra prioridade em curto prazo é a internacionalização do Aeroporto Serafim Enoss Bertaso, de Chapecó, além de sua ampliação, implantação de novos voos e vinda de novas companhias aéreas. Em médio prazo o pedido é revitalizar os aeroportos regionais (São Miguel do Oeste, Concórdia, Joaçaba e Caçador) para atendimento a voos regionais de aviação privada e comercial.

A construção de subestações, redes de transmissão, melhorar a qualidade e a quantidade de energia elétrica e incentivar e apoiar a produção de energias limpas são prioridades em curto prazo para o setor da energia elétrica. Entre as propostas para o setor de tecnologia e inovação estão a implantação de núcleos, a identificação e o incentivo de oportunidades industriais nas áreas de novas tecnologias nas diversas áreas (curto prazo) e a implantação de um parque tecnológico (médio prazo). Para o setor de comunicação, a necessidade é melhorar a internet e a telefonia na área rural e implantar um sistema de convergência e contingência de fibra óptica, em curto prazo.

Para o setor da saúde as demandas sugeridas foram em curto prazo: conclusão da ampliação do Hospital Regional Oeste (HRO), aquisição de novos equipamentos, ampliação do repasse mensal do Governo do Estado, implantar consórcios de saúde pública e desenvolver projetos de gestão conjunta para lixo, água, esgoto e mobilidade urbana.

Aprimorar a vigilância sanitária com rastreabilidade nas cadeias de suínos, aves e leite, melhorar o controle de fronteiras e ampliar a capacidade de isolamento para doenças de notificação obrigatória são prioridades do setor de agricultura em curto prazo. Também foi sugerido, em longo prazo, o desenvolvimento de um projeto de qualificação e sustentabilidade das micro e pequenas propriedades rurais.

Além dessas, outras prioridades discutidas foram: a conclusão da adutora de água do rio Chapecozinho, a conclusão de novos reservatórios de água para Chapecó, implantação da Estação Aduaneira do Interior (EADI), dar seguimento ao projeto do contorno leste de Chapecó com estudos para a construção de uma nova ponte sobre o rio Uruguai, aumentar a participação dos municípios no rateio do ICMS, entre outros.

Para o vice-presidente regional da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Waldemar Antônio Schmitz, a união das entidades que compõem o Fórum torna o processo mais dinâmico e com metodologias mais rápidas. “O estudo conjunto das peculiaridades da região proporciona resultados efetivos para o nosso objetivo, que é tornar o Oeste mais competitivo”.

COMPETITIVIDADE E DESENVOLVIMENTO

O Fórum de Competitividade e Desenvolvimento foi criado em 2013 por iniciativa da Unoesc e da Fiesc para planejar o crescimento com foco no desenvolvimento econômico sustentável. Trata-se de um órgão técnico de articulação, orientação e integração regional na definição de diretrizes voltadas à competitividade e ao desenvolvimento do Oeste. Tem como objetivos promover a integração regional para discutir suas competências, de forma a proporcionar condições para o seu desenvolvimento e competitividade; construir uma agenda participativa; desenvolver um plano de ação visando aglutinar as diversas iniciativas, projetos e propostas e articular a captação e aplicação de recursos e a elaboração de estudos. (MB Comunicação)

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais