Fotos: acervo mantém viva história das irmãs São José e do Colégio Maria Goretti, em Xanxerê

4 de outubro de 2018 16:21 | Religião , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Fotos: acervo mantém viva história das irmãs São José e do Colégio Maria Goretti, em Xanxerê

No ano de 1953, toda a comunidade de Xanxerê se reuniu na cidade para festejar a chegada das Irmãs São José. Elas tinham o propósito de coordenar o Colégio Santa Maria Goretti, que hoje leva o nome de Escola Estadual Presidente Arthur da Costa e Silva.

Conforme dados registrados e documentados que existem no acervo da escola, em meados de 1953, Nilo Munaretti entrou em contato com a Madre da Província das Irmãs São José, solicitando a instalação de uma Casa de Formação para meninas, com objetivo de atender e desenvolver vocações. A ação se concretizou.

Conforme Maristela Sutil, coautora de um artigo sobre a história do Costa e Silva, o objetivo da escola, inicialmente, era formar mulheres, por isso era oferecido cursos como de costura e corte, música, datilografia, além do ensino regular. Também foi nessa época que iniciou o curso de magistério, que se mantém até hoje.

“A congregação de Irmãs aceitou o convite e então, em fevereiro do mesmo ano, o senhor Alcides Bortoluzzi em companhia do Padre Vigário foi buscar a Madre Superiora Maria Nelly Pereira e as Irmãs Ana Custódia Baptista, Joana D’Arc Dematté e Ida Maria Emer, no Paraná. Então, elas vieram para Xanxerê. A chegada das Irmãs foi muito festiva no município. No fim de fevereiro o colégio ficou pronto. As aulas iniciaram em 1º de março de 1953”, diz Maristela.

A gruta existe até hoje na Escola Costa e Silva, próximo ao Ginásio de Esportes (Foto: acervo)

 

 

Em 1954 o colégio contava com 250 alunas matriculadas. Para estudar no Colégio Maria Goretti era necessário pagar mensalmente, por isso, era destinado a elite de Xanxerê e região. Em 1956 ocorreu a benção da Pedra Fundamental do Educandário Maria Goretti, fato muito festejado.

Após mudanças radicais na Igreja Católica em todo o mundo, se oficializou a venda do Colégio Maria Goretti ao Estado. Em 1970, por meio do decreto Nº 9067, o local passa a se chamar Colégio Estadual Presidente Arthur da Costa e Silva. “A comunidade se mostrou muito resistente à mudança”.

As diretrizes educacionais passaram por mudanças significativas e foram coordenadas pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), como até hoje. Nesta época começa a se desenvolver uma educação mais pautada na filosofia com princípios de libertação.

“Até hoje há muitas lendas sobre essa época das Irmãs. Já se falou sobre aparições das freiras no salão nobre (auditório), mas eu nunca vi (risos). Outra história muito comentada é sobre um túnel que existiria ligando o colégio até a Igreja e que teria sido fechado após uma reforma na Escola. São várias histórias, mas foi uma época muito marcante para Xanxerê”, finaliza Maristela, que hoje também trabalha na Escola Costa e Silva.


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais