Grupo Bem-Estar Animal organiza ação de microchipagem em animais

1 de outubro de 2018 08:37 | Animais , Comunidade , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Grupo Bem-Estar Animal organiza ação de microchipagem em animais

Nesta segunda-feira (1º), o Grupo Bem-Estar Animal de Xanxerê dará início à Semana Catarinense da Conscientização da Proteção e Direito dos Animais. Até o sábado (06), serão realizadas diversas atividades e palestras, buscando a conscientização da população, principalmente quanto a posse responsável dos animais.

Dentre as atividades, na quinta-feira (04), das 13h30min às 19h, acontece uma campanha de microchipagem. Neste dia, serão realizadas 60 microchipagens por um valor popular de R$ 50.

“O Grupo Bem Estar Animal sempre está em busca de campanhas e alternativas realizar o trabalho em prol da causa animal, e devido o número alarmante de abandonos, e alguns casos de furtos de animais de raça, que vem acontecendo aqui em nossa cidade, pensamos em trazer essa alternativa que é identificar os animais por meio de um microchip”, explica o voluntário Claudecir Rodrigues.

Conforme Claudecir, todas essas vagas estão reservadas. Entretanto, caso alguém mais tenha interesse, deve procurar o grupo.

“Fizemos uma parceria com a Clínica Veterinária Xanxerê e essas unidades já estão reservadas, mas, se alguém mais tiver interesse, pode nos procurar, pois a ideia é de levar a frente este projeto. A intenção do grupo seria que todos os animais recebessem o microchip, principalmente os em situação de rua, de famílias carentes, atendidos pela entidade e adotados em nossas feirinhas”, comenta.

O microchip é aplicado no dorso do animal, por meio de uma seringa, sem a necessidade da sedação do animal e será aplicado pelos médicos veterinários da Clínica Veterinária Xanxerê. Neste chip irá conter os dados do tutor, como: nome, endereço, telefone, e-mail; e também os dados do animal: nome, raça, peso, idade, sobre as vacinas e castração.

“Com esses dados no microchip, caso algum animal se perca e alguém encontre, pode solicitar o leitor para que possamos descobrir os dados do animal e assim entregar a seu real tutor”, destaca Claudecir.

O voluntário comenta que o grupo gostaria de realizar essa ação gratuitamente, mas, no momento, não tem recursos para arcar com isso. Por isso, a intenção é que com o microchip, os animais sejam identificados e, em casos de abandono ou maus tratos, os responsáveis possam ser encontrados.

“Essa alternativa será uma base para que possamos controlar mais as adoções e possamos punir os responsáveis pelo ato de abandono, visto que será como uma identidade do animal que estará sempre com ele. Com base dos dados cadastrados no microchip teremos os dados da pessoa responsável por ele e podemos assim buscar alguma solução diante do caso”, conclui.


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais