Há 28 anos na área, proprietário da Reana Corretora de Seguros conta trajetória

3 de janeiro de 2019 10:11
História , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Há 28 anos na área, proprietário da Reana Corretora de Seguros conta trajetória Foto: Karina Ogliari/LanceNoticias

Há mais de dez anos de mercado, a Reana Corretora de Seguros hoje oferece os mais variados tipos de seguro, desde seguros de vida até os residenciais. Ademais, isso foi fruto de um trabalho que iniciou em uma sociedade entre irmãos.

De acordo com o proprietário do local, o corretor Vilson Piccoli, ele iniciou sua carreira com seguros há cerca de 28 anos, trabalhando com seu irmão na Piccoli Seguros. Posteriormente, foi sócio na empresa Selesul Seguros e, após cinco anos, abriu a Reana Corretora de Seguros, que já completou 13 anos de atividades.

– Comecei com meu irmão, que já faleceu, e trabalhei com ele por dez anos, onde aprendi a ser corretor. Depois, eu e um sócio abrimos a Selesul Seguros que, com o passar do tempo, foi crescendo, onde percebi a necessidade de montar a Reana Corretora de Seguros, para atender melhor a toda a demanda – conta.

Quanto ao nome, Piccoli comenta que foi uma homenagem às filhas, que se chamam Renata e Anna Letícia. E, na família, hoje, Vilson trabalha acompanhado de sua esposa e a filha mais velha. Anna hoje possui também a Mana Corretora de Seguros, que funciona junto com a Reana.

– Comecei com meu irmão, hoje minha esposa e minha filha também trabalham comigo. Além disso, dentro da Reana há também a Mana Corretora de Seguros, onde a responsável é a minha filha. A tendência é essa, pelo menos dar o caminho para que eles deem seguimento ao que já fazemos. Deixamos encaminhado. Temos uma funcionária que irá completar 20 anos de empresa, que está desde o início trabalhando comigo. Todos os funcionários estão há muito tempo e mantemos esse vínculo – destaca.

Piccoli comenta que o trabalho de sua empresa é baseado na confiança de seus clientes e destaca a importância do bom relacionamento com eles.

– É um projeto de vida que temos aqui e não vendemos um produto, vendemos confiança, uma coisa intangível, algo que a pessoa sabe que, se precisar, estará amparada por um contrato, por isso precisamos da confiança dos clientes – comenta.

 

Momentos marcantes

Nos quase 30 anos de profissão, Piccoli destaca que há diversas histórias para contar. Ademais, dentre as mais marcantes, ele conta que estão as que envolvem o lado humano, principalmente a perda de um ente querido.

– Sempre seguros que envolvem vida são os que mais marcam, principalmente os acidentes, onde vemos a pessoa ir embora, vemos a diferença que faz quando a pessoa tem um seguro. Claro, nos envolvemos na parte emocional, até porque tenho clientes de 25 anos de seguro. Mas, passado o primeiro baque emocional, vem a preocupação, de como reestruturar a família, porque às vezes era a pessoa que sustentava e o seguro ampara essas pessoas, vemos o alívio que isso oferece – frisa.

 

Crescimento do mercado

Em todos os anos de profissão, Vilson viu o mercado crescer e evoluir, tanto pela demanda quanto o aumento dos serviços prestados.

– Com o passar do tempo as pessoas estão buscando mais por seguros. No início, o seguro estava muito ligado à morte, quando íamos oferecer as pessoas pensavam isso. Com o passar do tempo, as pessoas foram adquirindo mais bens, imóveis, automóveis, caminhões e o número de acidentes também foi crescendo e as pessoas foram percebendo a necessidade de estarem protegidos para isso – pontua.

Além disso, com o passar do tempo, as apólices de seguro estão cada vez mais completas, oferecendo um amparo maior em diversas áreas, o que atrai cada vez mais clientes.

– Hoje, os seguros estão cada vez mais completos, com uma cobertura mais ampla, o que dá mais confiança para as pessoas, elas podem escolher o que incluir e tudo o que desejam assegurar. Muitas vezes as pessoas nos procuram para fazer um tipo de seguro e explicamos sobre outros contratos que oferecemos, justamente por essa maior assistência que o seguro cobre – conclui.


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais