Mais de 50 xanxerenses aguardam para participar do projeto contra o tabagismo

29 de agosto de 2017 09:48
Comunidade , Saúde , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Mais de 50 xanxerenses aguardam para participar do projeto contra o tabagismo Dia Nacional de Combate ao Fumo. (Foto: Divulgação)

Nesta terça-feira, 29 de agosto, é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. O tabagismo passivo mata cerca de 600 mil não fumantes todos os anos no mundo, dos quais 165 mil são crianças menores de 5 anos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera a epidemia de tabagismo a maior ameaça à saúde pública atualmente.

O projeto contra o tabagismo existe há anos em Xanxerê. O trabalho que é desenvolvido pela psicóloga Tenille Toazza Comachio. Hoje o projeto é desenvolvido por meio de encontros que acontecem no Posto de Saúde Hélio Ortiz e possui cerca de 50 pessoas na fila de espera.

“Nesse ano, nós temos em média 50 cadastros que procuraram ajuda para conseguir parar de fumar. Esse número equivalente a nossa população, é considerado baixo”, diz Tenille.

Medicação

O acompanhamento para que a pessoa para de fumar é psicológico e clinico, pois, o médico avalia se vai ou não tomar a medicação.

“Eles tomam a medicação que é fundamental para quem está parando de fumar e também fazem uso dos adesivos, são três: 21mg equivalente à 10 cigarros; 14mg equivalente à 6 cigarros e 7mg equivalente à um cigarro. É necessário o uso dos adesivos para o corpo levar não o choque por ficar sem nicotina”, destaca a psicóloga responsável pelo projeto”.

Números no Estado

Uma pesquisa realizada em 2016, pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), apontou que, em Florianópolis, entre as pessoas com 18 anos ou mais, 7,9% estavam expostas à fumaça do tabaco no domicílio e 6,8% no local onde trabalham. O levantamento verificou, ainda, que o percentual médio de adultos fumantes era de 10,1%, sendo 11,8% entre os homens e 8,6% entre as mulheres.

O impacto do tabagismo sobre a mortalidade e a qualidade de vida no Brasil é diretamente responsável pela perda, a cada ano, de 4.203.389 anos de vida, além disso é responsável por 12,6 % de todas as mortes que ocorrem no país em pessoas maiores de 35 anos.

O tabagismo também gera custos médicos diretos de R$ 39,4 bilhões por ano, o equivalente a 8% de todo o gasto com saúde, e R$ 17,5 bilhões em custos indiretos decorrentes da perda de produtividade devida à morte prematura e incapacidade, de acordo com a Nota Técnica “Tabaco: uma ameaça ao desenvolvimento” do INCA/Ministério da Saúde.

Tratamento gratuito

Em Santa Catarina, 256 municípios implantaram o Programa de Controle do Tabagismo e oferecem tratamento gratuito na rede pública de saúde para quem estiver interessado em parar de fumar. Em 2016, das 8.194 pessoas atendidas, 6.121 pararam de fumar ao final do primeiro mês de tratamento.

 

Com informações Dive- SC

 

 


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais