Malu, cadela dos bombeiros de Xanxerê, é o cão que mais possui certificações no Brasil

7 de janeiro de 2019 12:06
Animais , Comunidade , História , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Malu, cadela dos bombeiros de Xanxerê, é o cão que mais possui certificações no Brasil (Foto: Alessandra Oliveira/Lance Notícias)

O trabalho com cães desenvolvido pelo 14º Batalhão do Corpo de Bombeiros de Xanxerê já é referência em todo o país. Diante disso, os cães criados e treinados em Xanxerê também estão entre os melhores do Brasil. E, este é o caso da Malu, uma labradora de nove anos que é a cadela que mais possui certificações, sendo dez ao todo.

Malu hoje vive com o comandante do 14ºBBM, tenente coronel Walter Parizotto, e foi um presente recebido por ele no ano de 2009, logo depois do Xanxerê, seu primeiro cão bombeiro, sofrer com problemas de saúde e se aposentar do serviço.

– A Malu é nascida em Florianópolis e ganhei ela quando o Xanxerê ficou doente. Na época, não tinha a intenção de ter outro cão, estava chateado com a doença do Xanxerê, mas ganhei a Malu e começamos os treinamentos – comenta.

Segundo Parizotto, a cadela sempre foi muito inteligente e de fácil relacionamento com as pessoas, tanto que seu treinamento foi rápido e ela logo foi empregada no trabalho. Hoje, além de busca e resgate, trabalho mais comum realizado pelo Corpo de Bombeiros de Xanxerê com cães, ela também participa da cinoterapia, onde visita os pacientes internados no Hospital Regional São Paulo.

– Era um momento que tínhamos um grupo bom de trabalho, ela teve uma preparação rápida e o diferencial é que, hoje, ela é a única cadela nossa que tem certificação com três pessoas diferentes: comigo, com o Busaquera e com o Borba e atualmente é o cão mais ranqueado no país, tem dez certificações e, em maio, será submetida para a 11ª certificação – destaca.

Geralmente, o cão é certificado com um bombeiro, mas, o caso da Malu é uma exceção. Ela é certificada com três bombeiros por conta da disponibilidade de Parizotto atender ocorrências.

– Eu não tenho mais a disponibilidade de ir para as ocorrências com a frequência que eu ia no passado, o fato dela trabalhar com outras pessoas se dá por isso e ela tem essa facilidade também. É um dos poucos cães que tem essa possibilidade de trabalhar com mais de uma pessoa. Desde o início ela foi condicionada a isso – explica.

Dentre ocorrências e brincadeiras, hoje Malu atua mais na cinoterapia e deve se aposentar dos serviços operacionais ainda neste ano. Mas, antes, para dar seguimento a linhagem de cães bombeiros, ela e seu companheiro Ice devem ter uma ninhada de filhotes. Malu já é mãe de diversos cães que tem destaque nas corporações de Corpo de Bombeiros em todo o país.

– Temos buscado um melhoramento genético dos cães para cruzar. Cruzamos sempre os melhores com os melhores. Além disso, fizemos uma série de exames e avaliações, para identificar cães que tenham uma pré-disposição genética para uma série de problemas e eliminamos dos cruzamentos aqueles cães que apresentaram isso. E, nessa seleção, só sobrou a Malu de fêmea – conclui.


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais