Mês de prevenção ao HIV/AIDS busca a conscientização da população

1 de dezembro de 2017 11:13
Comunidade , Lance Notícias , região , Saúde , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Mês de prevenção ao HIV/AIDS busca a conscientização da população Foto: Patrícia Silva/ Lance Notícias

O mês de dezembro é voltado para a conscientização da população a respeito da prevenção do HIV/AIDS. O vírus que ataca o sistema imunológico, é diferente do que acontece com alguns outros vírus, o corpo humano não é capaz de eliminar o HIV, sendo que o mesmo permanece no organismo da pessoa infectada durante toda a vida. O vírus da imunodeficiência pode levar à Aids, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

No Brasil são registrados mais de 150 mil casos por ano, em Xanxerê somente no ano de 2017 foram registrado 53 novos casos de HIV/AIDS. A coordenadora da Vigilância em Saúde de Xanxerê, Caroline Cenzi comenta que a principal forma de transmissão do vírus são as relações sexuais desprotegidas.

“Quando a gente não tem mais defesa a gente fica doente, com isso se instala a questão da AIDS. Então é importante que as pessoas antes de tudo, se protejam, usem o preservativo, não compartilhem agulhas e seringas, mas o principal fator da transmissão do HIV, é a relação sexual, então deve se usar a camisinha em todas as relações sexuais”.

Teste rápido

Atualmente o Sistema Único de SAÚDE (SUS) oferece gratuitamente os testes rápidos de HIV, onde a pessoa no mesmo dia tem conhecimento do resultado.

“Fazer os exames, a gente tem hoje os testes rápidos para HIV, que é tranquilo para fazer, a pessoa já fica sabendo no mesmo dia o resultado e a partir do momento que descobre ser portadora do vírus iniciar todo o acompanhamento”.

Estão previstos neste acompanhamento exames de rotina, tratamento, consulta médica periódica, para que o portador do vírus tenha uma qualidade de vida tranquila.

Tratamento

O tratamento serve como forma de prevenção, para que o vírus HIV não se desenvolva e se transforme na doença.

“O objetivo do tratamento é, ao contrário do que era antigamente onde as pessoas iniciavam o tratamento quando já estavam doentes, hoje não, ela descobre ser portadora do vírus ela já entra com o medicamento para evitar ficar doente, então ele não é um tratamento para doença hoje, ele se torna um profilático para que a pessoa não venha adoecer”, conclui Caroline.


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais