Mito ou verdade: a cerveja engorda?

28 de junho de 2018 14:49
Lance Notícias , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Mito ou verdade: a cerveja engorda? A famosa “barriga de cerveja” merece um cuidado especial, pois o problema está associado ao fígado. (Foto: Divulgação)

Gelada, com amigos, em casa ou no bar: beber cerveja muitas vezes é um prazer. Talvez por isso, muitas pessoas têm orgulho da famosa barriga conquistada a base de cerveja. Mas será que a cerveja é realmente a responsável por isso?

O LANCENOTICIAS.com.br conversou com a nutricionista Ellen Sawazaki. Ela explicou que o consumo em excesso da bebida realmente engorda e o principal motivo é a quantidade de álcool consumida.

“A cerveja em excesso engorda sim. Pois além do álcool, que já é calórico, tem a cevada e o malte que são fontes de carboidratos, então ela é muito calórica. Mas ela é menos calórica que um destilado, mas em contra partida, a pessoa bebe menos destilado do que a cerveja. Então não é mito, a cerveja engorda sim”.

Não há um limite indicado para cada pessoa, pois é necessário equivaler ao peso, mas a nutricionista indica que a prática de exercícios pode ser uma das alternativas que podem ser adquiridas.

“O indicado é beber socialmente, não beber muito rápido e não ser uma pessoa sedentária, isso já ajuda bastante. O Chopp é da mesma maneira. O álcool tem um poder fermentador no fígado, o que não é novidade para ninguém. O fígado é o responsável por metabolizar tudo. Além do problema de você ingerir calorias demais bebendo, você sempre bebe acompanhado de um petisco, então é necessário sim ter esse cuidado”.

A famosa “barriga de cerveja” merece um cuidado especial, pois o problema está associado ao fígado.

“Se nota que as pessoas que bebem muito têm o abdômen mais inchado, ou seja a barriga é mais dura, mais inflamada. Isso é porque o fígado já está em um nível inflamatório tão elevado que a pessoa tem ascite, que é essa condição de excesso de acúmulo na região abdominal”, comenta.

O mesmo ocorre com o consumo de vinho, segundo a nutricionista, o indicado é 30 ml por dia. “Pela recomendação é um cálice, não uma taça. Então 30 ml, não vai fazer mal a ninguém, mais do que isso, já pode se tornar prejudicial”, conclui.


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais