Moradora reclama sobre terreno baldio que se tornou criadouro do Aedes aegypti

4 de janeiro de 2019 18:33 | Comunidade , Dengue , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Moradora reclama sobre terreno baldio que se tornou criadouro do Aedes aegypti (Foto: Divulgação)

A xanxerense Dirce Kurek buscou a reportagem do Lance Notícias para expressar uma reclamação quanto a dois terrenos baldios localizados ao lado e atrás de sua casa, na Rua Gema Tombini Spessato, no Bairro Castelo Branco.

A indignação da moradora é quanto a limpeza dos locais, que não é periódica, sendo que o mato tomou conta dos terrenos. Além disso, o lixo jogado indevidamente e que se acumula, acaba tornando-se criadouro para o Aedes aegypti.

– Com o lixo que jogam nesses terrenos e o mato que cresce, fica um lugar propício para ter os mosquitos da dengue. Minha filha foi picada por eles e tive que buscar atendimento médico, pois ela teve febre. Liguei na Vigilância também, uma mulher veio até na minha casa e pediu para ver a minha filha, disse que se for dengue, demora até oito dias para se manifestar e, caso aconteça, é para avisar eles – comenta a moradora.

A preocupação é realmente quanto a transmissão da dengue, mesmo que nenhum caso tenha sido registrado na região. Diante disso, agentes foram até a residência dela, mas relataram não poder fazer nada.

– Hoje de manhã veio as agentes da dengue na minha casa, mas me disseram que não podiam fazer nada quanto a isso. Entrei em contato com a Prefeitura também, com uma moça responsável pelo setor, que veio até aqui e tirou fotos, disse que ia tomar uma providência e falar com o proprietário do terreno, mas até agora, nada foi feito – destaca.

O pedido é para que seja feita a limpeza do terreno que, por ser particular, deve ser feita pelo dono. Caso o serviço não seja executado, a Prefeitura pode fazê-lo e notificar o proprietário quanto a isso.

Ademais, o Lance Notícias buscou contato com os responsáveis na Prefeitura, mas não obteve sucesso.


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais