Moradores ameaçam fechar BR-282 em Ponte Serrada se não aumentar policiamento

29 de novembro de 2016 14:03 | Comunidade Compartilhar no Whatsapp
Moradores ameaçam fechar BR-282 em Ponte Serrada se não aumentar policiamento Moradores em audiência pública por mais segurança (Fotos: Jhonatan Coppini/Oeste Mais)

A defasagem do efetivo policial nos últimos anos é nítida e compromete a segurança pública em muitos municípios de Santa Catarina, especialmente os menores, que sofrem com a diminuição de policiais e o aumento da criminalidade. Moradores de Ponte Serrada resolveram se mobilizar para tentar sensibilizar o governo do estado. Se não conseguirem resposta rápida, até a BR-282 deverá ser fechada em sinal de protesto.

O aumento de casos de furto e arrombamentos em residências e comércios já fez dezenas de vítimas somente nos últimos meses no município. São elas que integram a comissão “Para mais segurança na nossa cidade”, que já circula um abaixo-assinado para reunir pelo menos quatro mil assinaturas reivindicando melhorias na segurança pública.

Na noite desta segunda-feira, dia 28, na sessão da Câmara de Vereadores de Ponte Serrada, uma audiência pública debateu o tema. Fernanda de Morais, uma das que fazem parte da comissão, disse que nos últimos dias o grupo está buscando o apoio das autoridades para conseguir força suficiente e pressionar o governo do estado na luta por mais policiais.

Ela disse ao Oeste Mais que um abaixo-assinado está circulando pela cidade e deverá ficar disponível pelos próximos 15 dias, não descartando inclusive o fechamento da BR-282 durante a luta pela causa. “Vamos esperar as quatro mil assinaturas do abaixo-assinado, que hoje são 1.040, e vamos partir para frente”, garantiu Fernanda, que foi vítima de um furto no dia 25 de agosto deste ano, quando teve a casa no Distrito Industrial arrombada por ladrões e um prejuízo de aproximadamente R$ 8,5 mil.

A mesma experiência foi vivida por Claudia Elizabeth dos Santos Nalevaiko. A moradora do Bairro Cohab IV chegou em casa com a família depois de uma missa no dia 9 de outubro. O susto foi grande. “O que eles levaram lá de casa deu mais de R$ 6 mil de prejuízo”, lamentou a professora. Mirando principalmente eletrônicos, os ladrões levaram notebook, celulares e tablet.

A moradora disse que a TV da sala também já estava pronta para ser carregada, mas ela acredita que os bandidos fugiram no momento em que a família chegou. “Não é os bens materiais que nos deixam indignados, isso a gente trabalha e compra de novo, mas é o fato de você ter a privacidade invadida e a certeza da impunidade, de saber quem foi que fez e não poder fazer nada”.

 

Apoio à causa

Vereadores e o prefeito Eduardo Coppini (Duda) acompanharam a audiência pública e apoiaram o movimento. O chefe do Executivo aproveitou para elogiar o serviço da Polícia Militar, que trabalha dentro de sérias limitações há um bom tempo. Duda ainda lembrou que a segurança pública não é a obrigação do município, mas enalteceu o movimento, cobrando a administração e demais autoridades como intermediadoras.

“A responsabilidade, neste caso, é da parte irresponsável do governo do estado, porque eu não consigo entender não priorizar a segurança”, lamentou o prefeito, recordando inclusive as inúmeras tentativas pela busca de aumento do efetivo, com vários ofícios encaminhados, incluindo a deputados ligados à base do governo, mas sem sucesso.

 

Esperança

Depois da Operação Veraneio, a expectativa é que cheguem novos policiais militares para o município, atualmente com um quadro de apenas seis no efetivo. A Polícia Militar de Santa Catarina também está concluindo o processo do curso de formação de novos soldados, com 691 policiais devendo ser formados em dezembro.

A Polícia Civil já recebeu recentemente um reforço no estado. Para Ponte Serrada inclusive foi designado um delegado titular, o que o município não tinha há vários anos.

Com informações Oeste Mais


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais