Mulher cega ganha a vida fazendo massagem em Xanxerê

23 de fevereiro de 2018 15:12
Comunidade , Lance Notícias , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Mulher cega ganha a vida fazendo massagem em Xanxerê Fotos: Alessandra Bagattini/Lance Notícias

Os problemas de visão não foram utilizados como desculpa pela massagista Neuza Maria. Ela que reside em Xanxerê é cega e atua como massoterapeuta há 37 anos no município. Além das massagens Neusa ainda é responsável pela limpeza e manutenção de sua casa.

“Faço tudo sozinha, faço comida, limpo a casa, eu realmente só preciso de ajuda para ir para a rua, porque não conheço tudo. Mas eu não enxergo nada, tenho os dois olhos de vidro e foi assim a minha vida toda”, comenta.

Neusa tem um filho de 19 anos que mora com ela. “Agora ele voltou a morar comigo e todos os dias eu faço comida para ele, pois ele trabalha fora”.

A moradora de Xanxerê conta que aos 11 anos saiu de casa para estudar, porém desistiu dos estudos após seu pai falecer. De lá para cá ela atua como massagista e atende os clientes em sua casa.

“Com 17 anos perdi meu pai e não quis mais estudar. Então comecei a fazer massagem e faço até hoje. Já atendi muitas pessoas, agora é pouco menos, mas já fiz 20 massagens por dia. Faço todos os tipos de massagem e hoje sobrevivo disso”.

Com 59 anos, Neusa destaca que o orgulho de sua vida é ter batalhado e ter conquistado o que tem hoje. “A única coisa boa que aconteceu na minha vida, foi eu me colocar. Isso foi a melhor coisa, porque não é fácil não enxergar, precisar trabalhar para pagar o aluguel, criar os filhos e não se fazer na vida. Eu consegui tudo mesmo com problemas de visão, o pessoal acha que sou uma guerreira, porque eu faço tudo e sou mesmo. Eu limpo a casa de pé descalço, por aí eu sei onde está a sujeira, tudo isso fui me adaptando”.

Hoje Neusa mora no Bairro Colatto e possui casa própria. “Eu sofri muito na vida, passei fome, necessidade, passei por muito sufoco para ter o que tenho hoje e tenho orgulho em dizer que tenho minha casa”, conclui.


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais