Não há previsão para início das obras de recuperação da SC-155 entre Xanxerê e Seara

19 de julho de 2016 09:44
Comunidade , Infraestrutura , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Não há previsão para início das obras de recuperação da SC-155 entre Xanxerê e Seara As chuvas de 2014 causaram os deslisamentos (Foto: G1/SC)

 

Desde abril que o governo do Estado aguarda a liberação de um montante de R$ 7,2 milhões  do Ministério da Integração para a recuperação das estradas do Alto Uruguai Catarinense que foram danificadas pelas enxurradas que ocorreram em 2014. Entre elas está um trecho da SC-155, entre Xanxerê e Xavantina.

De acordo com o superintendente do Deinfra, Élio Godoy, tudo está pronto para iniciar as obras, “a parte que cabia ao Deinfra foi feita, fizemos a licitação, o contrato está assinado e as RT’s estão prontas, agora falta a liberação do financeiro para que o governador possa dar a Ordem de Serviço”, afirma Godoy a reportagem da Rádio Aliança.

Nesta primeira licitação foram incluídos 22 trechos, com prazo de 240 dias para conclusão. Os trabalhos foram divididos em 11 lotes. As empresas Terramax e Britter foram as vencedoras do processo licitatório. Na região estão incluídos: SC-155 entre Xanxerê e Seara, no quilômetro 90; SC-155 Xanxerê-Seara no quilômetro 103; SC-156 que faz ligação com a SC-283, Nova Teutônia, no quilômetro 118; SC-155 em Itá na divisa com o Rio Grande do Sul no quilômetro 129; SC-283 quilômetro 50 próximo ao CTG Seara e Pampa; SC-390 entre Ipira e Peritiba no quilômetro 33; SC-155 que liga a BR-282 entre Xanxerê e Xavantina quilômetro 73; na SC-283 entre Concórdia e Chapecó no quilômetro 24 e na SC-155 entre Xanxerê e Seara no quilômetro 89.

Godoy informou também que ainda não tem expectativa para a recuperação dos trechos de rodovia danificados pelas enxurradas de 2015. Segundo ele os projetos estão em fase de elaboração.

 

Mobilização por melhorias é necessária

O superintende do Deinfra na região do Meio-Oeste, Élio Godoy, relata que os pavimentos das rodovias da região já são muito antigos e está cada vez mais difícil manter a condição de tráfego nas estradas, “a mobilização da sociedade organizada e da classe política da região é indispensável para que haja mais investimentos na malha rodoviária”, destaca.

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais