Pais devem comprovar que precisam do atendimento dos Cemeis depois das 17h30min

11 de fevereiro de 2019 09:30
Comunidade , Educação , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Pais devem comprovar que precisam do atendimento dos Cemeis depois das 17h30min Foto: Divulgação

A nova determinação da Secretaria de Educação em relação ao horário de atendimento dos Cemeis, gerou debate na comunidade, principalmente entre os pais. Isso porque, neste ano, todos os alunos serão liberados das unidades às 17h30min, não podendo permanecer nos locais até às 18h15min – como acontecia nos anos anteriores.

A mudança, de acordo com a secretária de Educação, tem por objetivo cumprir com a Lei que rege a educação infantil e também cumprir com os horários estabelecidos no contrato firmado com os professores.

A principal reclamação dos pais originou-se pois muitos responsáveis trabalham no comércio de Xanxerê e precisam cumprir o horário até às 18h. Diante da situação, a Secretaria de Educação realiza um estudo, por isso, nesta semana, os pais devem encaminhar as unidades uma declaração que comprove que ambos trabalham.

– A partir de hoje, que iniciaram às aulas, vamos estar fazendo o levantamento. Vamos pedir as declarações para os pais que realmente trabalham. Em cima deste levantamento, vamos estar fazendo o estudo. Conversamos com a promotoria, com os vereadores, para determinar como vai ser e quem vai atender – diz a secretária de Educação, Cláudia Favaro.

Até a elaboração deste levantamento, os Cemeis atendem dentro da nova recomendação, ou seja, até às 17h30min.

– Essa semana vai ser para fazer o levantamento, por conta disso, vamos atender até às 17h30min. Estamos organizando um documento para pedir a comprovação dos pais. Mas, os dois precisam estar trabalhando e não ter condições. Vindo essa nova listagem, vamos fazer um estudo e ver como vamos fazer para atender as crianças, porque não é tão simples assim – conclui Cláudia.

 

Leia também:

 

Atenção pais: Cemeis de Xanxerê não vão mais ficar com as crianças depois das 17h30


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais