Patrício Boques fala sobre início no Olaria de Xanxerê, passagem pelo Grêmio e dias atuais

3 de agosto de 2016 07:22
Comunidade , Esporte em destaque Compartilhar no Whatsapp
Patrício Boques fala sobre início no Olaria de Xanxerê, passagem pelo Grêmio e dias atuais Aposentado como esportista desde 2010, o ex-atleta continua em plena forma (Foto: Arquivo pessoal)

 

Natural de Aratiba, no Rio Grande do Sul, o ex-morador de Vargeão, Patricio Antônio Boques, de 42 anos, ainda é muito lembrado na região. Para quem não o conhece, ou talvez não lembre de quem se trata, a reportagem especial do Oeste Mais falará do ex-futebolista brasileiro, que fez seu nome como lateral-direito no time do coração, o Grêmio.

 

Como jogador

Incentivado pelo tio, Patricio começou a jogar futebol muito cedo, desde os 12 anos de idade. “Sempre sonhei em ser jogador, mas o sonho demorou e mesmo assim, com muita persistência e trabalho duro, aconteceu”, conta Patrício.

Foi aos 24 anos que Patrício começou a jogar profissionalmente, no Olaria de Xanxerê, em 1996. Antes de iniciar a carreira profissional, jogou em diversos clubes amadores da região, entre eles, as equipes Instaladora de Vargeão e Sete de Setembro de Ipumirim.

No último ano da década de 90, Patricio entrou para o time Kindermann de Caçador e logo em seguida foi transferido para o Paraná Clube, onde permaneceu por um ano.

 

O grande sonho

Sua primeira passagem pelo Grêmio, seu time do coração, aconteceu em 2000, onde foi titular. “Foi um sonho de criança jogar no grêmio. Sou gremista desde pequeno”, comenta.

Em 2001 o jogador atuou pelo Coritiba e Vasco, clubes da elite brasileira. De clube em clube, em 2004 Patricio retornou ao Oeste de Santa Catarina para defender a equipe da Chapecoense e em seguida o Caxias, no estado vizinho.

O ápice da carreia como jogador aconteceu durante sua segunda passagem pelo Grêmio. Patricio foi campeão brasileiro da Série B em 2005, na lendária Batalha dos Aflitos, um dos títulos mais lembrados pelo ex-lateral direito, além de vice-campeão Gaúcho em 2006 e 2007 e vice-campeão da Libertadores em 2007.

Foram 14 anos jogando profissionalmente, até encerrar a carreira em 2010 na equipe do Caxias. “Ser jogador foi um sonho. Prosseguir na profissão era outro objetivo, e os títulos foram conquistados com o trabalho duro. A sensação de objetivos alcançados é indescritível, muitas emoções e uma enorme felicidade”, relembra.

 

Um singelo e expressivo reencontro

No ano passado, o Olaria Futebol Clube de Xanxerê realizou um jogo festivo com os ex-jogadores que passaram pelo time. Segundo Patricio, a partida aconteceu para reunir jogadores atuais e antigos. “Foi uma festa memorável para rever e relembrar os momentos felizes de todos”, finaliza.

 

Dias atuais

Atualmente, Patricio reside em Sapiranga, no estado gaúcho, e comanda uma escolinha de futebol filiada ao Grêmio. O ex-jogador é dono e instrutor do centro de treinamento localizado no município vizinho, em Nova Hartz.

São cerca de 120 jovens atletas, de 8 a 16 anos, que participam dos treinos na escolinha que completará três anos em setembro. (Com informações do Portal Oeste Mais)

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais