Portador da doença de Lúpus busca recursos para custear tratamento

21 de novembro de 2017 11:13
Comunidade , Lance Notícias , região Compartilhar no Whatsapp
Portador da doença de Lúpus busca recursos para custear tratamento Imagem: Reprodução

Há quatro anos o morador de Faxinal dos Guedes Thiago de Sá descobriu que possui a doença de Lúpus, no qual vem afetando a sua rotina. A doença que é autoimune, ocorre quando o sistema imunológico ataca tecidos saudáveis do corpo por engano. Possuindo vários sintomas como dor nas articulações, peito, cabeça, arritmia, lesões na pele e entre outros, a manutenção do tratamento chega a R$16 mil por mês.

A esposa de Thiago, Diangeli de Sá, comenta que pelo tratamento ser muito caro, ainda não foi possível o realizar corretamente, tendo e vista que a aplicação do medicamento custa R$8mil.

“Cada aplicação do medicamento Benvista é R$8mil e ele teria que aplicar a cada 15 dias. Morávamos em Itajaí e nos mudamos para Faxinal dos Guedes, pois lá pagávamos aluguel e pesava no orçamento. Ainda em Itajaí nós tentamos um estudo novo que estava sendo realizado e naquele processo de seis meses, houve uma melhora muito significativa. Nesse período ele teve todo um acompanhamento e funcionou muito bem por conta do estudo que ele se submeteu, só que era tudo de graça e por conta desse estudo. Mas depois que passou isso só foi piorando”.

Em virtude de arrecadar fundos para a manutenção do tratamento Diangeli e Thiago criaram uma vaquinha online, pois os recursos que tinham, já se esgotaram.

“Uma vez ou outra a gente ganha de uns processos o valor de R$1mil, mas isso não dá nem para a medicação. A gente sempre está contando com a ajuda de amigos próximos e a família, mas acaba ficando pesado para todo mundo, por isso tivemos a ideia de fazer a vaquinha”, destaca Diangeli.

Foto: Arquivo pessoal

 

 

Pela demora no tratamento pelo SUS, o casal está buscando a rede particular para dar sequência ao tratamento.

“Nós já tentamos na justiça algumas vezes e as vezes conseguimos e outra vezes não. É tudo muito demorado, então resolvemos agora fazer por conta, porque pelo SUS a consulta é uma vez por ano, mas o acompanhamento precisa ser com muita frequência e a medicação não pode falta de jeito nenhum. Os sintomas são muito ruins e ele convive com isso todos os dias e afeta todo mundo em volta. A gente quer amenizar o mais possível isso para melhorar a qualidade de vida”, ressalta.

Para quem deseja contribuir com o tratamento do Thiago, pode acessar AQUI e realizar uma doação.


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais