Prematuridade: conheça a história de superação de Lucas Benjamin

24 de novembro de 2017 10:17
Comunidade , Lance Notícias , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Prematuridade: conheça a história de superação de Lucas Benjamin Fotos: Divulgação

Quem vê as fotos de Lucas Benjamin hoje, com um ano e cinco meses, não imagina a verdadeira batalha pela qual ele e a família passaram logo após o nascimento prematuro, com 29 semanas. Ele chegou a pesar menos de um quilo, passou por cinco transfusões de sangue e uma cirurgia. Uma história emocionante e de muitas superações, compartilhada com as equipes da UTI Neonatal do Hospital Regional São Paulo – ASSEC, de Xanxerê, onde o bebê ficou internado.

“Hoje nosso guerreiro está muito saudável, sem qualquer sequela, ainda mamando no peito, correndo por todo lado e fazendo muita bagunça (risos). Somos muito agradecidos a Deus por cada pessoa que faz parte da nossa história e que nos abençoou com seu cuidado”, comenta a mãe.

A prematuridade foi inesperada, porém um período de aprendizado que hoje os pais, Mariane e Tiago Berto, querem dividir com outras famílias por meio de um ensaio fotográfico falando sobre o tema. Lucas foi clicado usando um body que fala sobre prematuridade e algumas fotos mostram o crescimento dele desde o nascimento. O ensaio foi divulgado nas redes sociais da família e disponibilizado pelos pais ao HRSP, como forma de gratidão pelos cuidados que o pequeno recebeu.

A prematuridade

Mariane conta que tudo começou com 28 semanas de gestação, quando ela foi internada com um intenso sangramento. “Quando completamos 29 semanas e 2 dias, tivemos a notícia que não havia mais chance para o Lucas sobreviver dentro da minha barriga. Ele já estava em sofrimento fetal, pois devido à pré-eclâmpsia e a trombofilia a placenta havia descolado”, relembra ela sobre um dos momentos mais difíceis que enfrentou.

O nascimento aconteceu no dia 24 de junho de 2016, dois meses e meio antes do previsto, pensado 1.120 kg e com 39 cm de comprimento. Foi encaminhado diretamente para a UTI Neonatal, onde permaneceu em tratamento por 40 dias. “Mãe espera muito para ter seu filho nos braços e só depois de 14 dias peguei o Lucas pela primeira vez, ainda tão pequenino. O método canguru (quando o bebê fica no contato pele a pele com a mãe) nos ajudou muito, foi um tempo de muita luta pela vida, mas também um tempo muito inesquecível e importante para nós”, relembra a mãe. A UTI Neonatal do HRSP permite que as mães fiquem em contato com os bebês pelo maior tempo possível, o que ajuda no desenvolvimento da criança.

Quando finalmente Lucas teve alta hospitalar tudo parecia tranquilo, no entanto, o bebê precisou enfrentar mais uma batalha: três dias depois de estar em casa retornou aos cuidados intensivos por causa de uma inflamação no intestino. Mariane explica que o filho precisou de pelo menos cinco transfusões de sangue e fez uma cirurgia com apenas cinco meses. “Aprendemos muito nesse período, comemoramos o aumento de 5 gramas, vibramos com cada aumento de ml de leite por mamada.  A equipe da UTI Neonatal é incrível, impossível descrever”, comenta.

Encontro de Pais e mães

Passado o momento difícil agora é fase de comemoração e de vibrar com o crescimento de Lucas. Alegria que vai ser compartilhada com a equipe que cuidou do bebê nesta sexta-feira. Mariane, o pai Tiago e o Lucas já confirmaram presença no I Encontro para Pais e Mães que passaram pela UTI Neonatal do Hospital Regional São Paulo. Todos estão ansiosos pelo reencontro.

O evento vai acontecer às 16 horas desta sexta-feira (24), no auditório do Hospital Regional São Paulo. A ideia é proporcionar uma troca de experiência entre as famílias, o compartilhamento das histórias com a equipe e uma confraternização.

O Encontro é uma das ações desenvolvidas em função do Novembro Roxo, mês de sensibilização para a prematuridade. Nos últimos dez anos, o HRSP atendeu mais de 1,5 mil bebês de todo o Estado na UTI Neonatal.


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais