Projeto de extensão do IFSC promove leitura dramática aberta a comunidade

28 de setembro de 2018 11:27 | Comunidade , Educação , Evento , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp

O Projeto Palcollet, projeto de extensão de oficinas de teatro do câmpus de Xanxerê do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) promove, nesta sexta-feira (28), mais uma leitura dramática aberta ao público. A apresentação está marcada para às 19h, com entrada gratuita e acontece na sala 02 do bloco 1 do IFSC Xanxerê.

Desta vez, a professora Giovana Bianca Darolt Hillesheim incluiu essa apresentação como parte do planejamento da disciplina Temas da Arte Contemporânea. Diante disso, o grupo fará a leitura dramática da peça As Velhas, de Lourdes Ramalho.

“A ideia em trazer esta apresentação deve-se ao fato da mesma ser um exemplo clássico dos conteúdos que serão tratados na disciplina. O texto da peça é de 1975, período que inaugura o pensar artístico híbrido contemporâneo”, explica a professora, que também é coordenadora da especialização em Concepções Multidisciplinares em Leitura.

A apresentação abordará o tema ‘micropolítica’: a denúncia da indústria da seca e itinerância das famílias nordestinas. A coordenadora do projeto de extensão e grupo Palcollet, Aline Guerios, salienta o papel de duas personagens mulheres na peça.

“Há duas personagens mulheres na peça, que são marcadas por viverem presas, tanto em um passado, quanto em um presente opressor, e sofrerem com a falta de alimentos, água potável, trabalho e moradia para suas famílias, e ainda lutarem diariamente para que roubos e desvios dos mantimentos enviados aos flagelados, tenham um fim”.

A professora Giovana afirma que a atividade visa discutir a hibridização das linguagens artísticas atuais. Por esse motivo, a leitura será seguida de uma apresentação de dança do bailarino Felipe Brum, que é estudante da UDESC em Chapecó e já trabalhou com o grupo Palcollet outras vezes. A intervenção do bailarino será com a música “Triste, Louca ou Má” da banda Francisco El Hombre.

“A leitura e a dança (seus conteúdos e formas) se mostram bastante pertinentes na conjuntura atual, já que vivemos tempos difíceis para qualquer pessoa que não seja homem e/ou heterosexual e de outras minorias, no caso da peça, o pobre e o nordestino retirante da seca”, conclui Aline.


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais