Psicóloga explica sobre o transtorno bipolar

24 de agosto de 2018 15:44
Comunidade , Saúde , Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Psicóloga explica sobre o transtorno bipolar Imagem Ilustrativa (Foto: Divulgação)

O transtorno bipolar é um problema que faz com que as pessoas alternem entre períodos de muito bom humor e períodos de irritação ou depressão. As chamadas “oscilações de humor” entre a mania e a depressão podem ser muito rápidas e podem ocorrer com muita ou pouca frequência. Essa patologia atinge cerca de 254 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a OMS.

Conforme a psicóloga Rosilei Lemes Vera, a pessoa que possui o transtorno bipolar dificilmente percebe que tem a patologia.

“Geralmente o portador da doença tem dois extremos que é a depressão e a mania alternados. Ou seja, tem momentos em que a pessoa está na fase depressiva, aonde manifesta os sintomas de autoestima baixa, tristeza, isolamento, todos os sintomas da depressão. E, na mania, a pessoa fica super para cima, acha que pode tudo. Tem atitudes inconsequentes, fora da realidade. Ela fica eufórica”, comenta.

Rosilei destaca que é muito comum a pessoa realizar ações inconsequentes durante o período de euforia, como se demitir do trabalho e se endividar, sem possibilidades de arcar com as dívidas posteriormente.

“Depois do período de euforia, vem a culpa e todo o processo depressivo novamente”, explica.

As crises variam de pessoa para pessoa, podendo ser mais frequentes ou demorarem mais para acontecer.

“É no momento da depressão que a família deve insistir para que a pessoa procure um profissional psicólogo ou psiquiatra para um diagnóstico. Pois, quando ela está na fase eufórica, é muito difícil perceber que tem a doença”, destaca a psicóloga.

O tratamento se dá por medicação e psicoterapia. A partir disso a pessoa aprende a controlar os impulsos e vontades. Dessa forma a pessoa consegue ter uma vida equilibrada.

Além disso, atividades como a prática de esportes, exercícios físicos, leituras, manter hábitos saudáveis e uma vida mais tranquila podem auxiliar também a amenizar a doença.

 

Psicóloga Rosilei Lemes Vera (CRP 12/10933)


Por: Alessandra Oliveira

Deixe seu comentário

Saiba Mais