Rafael Henzel recebe alta em Chapecó

20 de dezembro de 2016 07:56
Chapecoense , Comunidade Compartilhar no Whatsapp
Rafael Henzel recebe alta em Chapecó Jornalista se emocionou em alguns momentos da coletiva em Chapecó (Foto: Reprodução/RBS TV)

O jornalista Rafael Henzel recebeu alta do Hospital Unimed, em Chapecó, às 21h47 desta segunda-feira (19). Único profissional de imprensa a sobreviver à tragédia com o avião que levava a delegação da Chapecoense e convidados para a Colômbia. A queda deixou 71 mortos e seis sobreviventes.

Rafael saiu do hospital em uma cadeira de rodas em direção a um carro. Ele ficou em pé antes de entrar no veículo e falou “valeu, gente, obrigado por tudo. Vida nova, vamos lá!”. O jornalista estava acompanhando da mulher, Jussara, e do filho.

Já dentro do carro, ele chegou a falar com a imprensa antes de o veículo deixar a entrada do hospital. Rafael vestia uma camisa do time da Chapecoense.

O jornalista Rafael Henzel recebeu alta do Hospital Unimed, em Chapecó, às 21h47 desta segunda-feira (19). Único profissional de imprensa a sobreviver à tragédia com o avião que levava a delegação da Chapecoense e convidados para a Colômbia. A queda deixou 71 mortos e seis sobreviventes.

Rafael saiu do hospital em uma cadeira de rodas em direção a um carro. Ele ficou em pé antes de entrar no veículo e falou “valeu, gente, obrigado por tudo. Vida nova, vamos lá!”. O jornalista estava acompanhando da mulher, Jussara, e do filho.

Já dentro do carro, ele chegou a falar com a imprensa antes de o veículo deixar a entrada do hospital. Rafael vestia uma camisa do time da Chapecoense.

Pela manhã, em entrevista coletiva no hospital, o jornalista afirmou que se dedicará integralmente ao tratamento e recuperação das lesões causadas no acidente que matou 71 pessoas na Colômbia para voltar ao trabalho em 9 de janeiro e narrar o jogo da Chapecoense contra o Joinville no dia 25 de janeiro.

“A gente tem que lembrar sempre dos que se foram, mas é preciso dar um passo para a frente”, disse Rafael Henzel.

“A partir de agora, nada será mais problema para mim. Vou apresentar programa de rádio com 2ºC e achar ótimo. Estou na fase do agradecimento, tudo é motivo para agradecer, por estar aqui, por ter uma segunda oportunidade, pelos meus amigos. Não sei se vou ser uma pessoa melhor, mas vou me esforçar para entender o propósito, mas já compreendo que podemos recuperar muita coisa com a fé e a gente tem que levar esta mensagem”, afirmou.

O jornalista contou que não teve pesadelos com a tragédia, mas que foi somente em Chapecó que conseguiu dormir por quatro horas seguidas. “A gente vai eternizar a todos que se foram, mas tenho comigo que preciso seguir. 2017 será muito importante para todos nós”.

Viagem de avião
Ele também contou que não teve medo de viajar de avião depois do acidente. “Sei que foi uma falha humana. Claro que vamos repensar comportamentos, mas temos outros jogos fora do país, mas não pensei direito se vou continuar viajando. Tenho uma série de coisas para fazer quando chegar em casa”.

Desde que estava na Colômbia, ele recebeu mais de mil mensagens pelas redes sociais e conversou com famílias de vítimas. “Eu tenho dito que todos estavam muito felizes, não houve desespero, nem correria na hora do acidente. O avião apenas bateu no morro e tudo aconteceu. Todos estavam realizando o sonho de levar a Chape para aquele jogo”, relatou.

Com informações G1

 


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais