Sem milho, aves morrem de fome no Oeste catarinense

24 de maio de 2016 13:23
Agricultura Compartilhar no Whatsapp
Sem milho, aves morrem de fome no Oeste catarinense Região de Xanxerê diminui área plantada de milho (Foto: Revista Globo Rural)

 

A crise de oferta de milho no mercado brasileiro tem gerado situações dramáticas. A semana começou com relatos das primeiras mortes de frango por ausência de ração no Oeste de Santa Catarina, região tradicional de agroindústrias produtoras de proteína animal no Brasil.

A família Santiani trabalha com aves e suínos em Lindóia do Sul no sistema de contrato de parceria com a indústria da região. Os produtores já sentem a falta de alimento para atender a produção e há três meses está faltando pagamento dos valores devidos pelo serviço de integração com o frigorífico Globoaves. As informações são do Canal Rural.

“A situação que a gente enfrenta aqui é que a maioria dos produtores dessa integradora está sem receber o pagamento há mais de 90 dias. E também nos últimos dias se agravou a falta de alimentação para as aves da região. A falta de ração começou na quarta-feira da semana passada e ainda não foi regularizada. Hoje (segunda-feira) inclusive começaram as mortalidades por causa da falta de ração”, conta Leonardo Santiani.

A assessoria de imprensa da empresa Globoaves confirmou que os pagamentos estão atrasados e não há data para regularizar a situação. A empresa, que em períodos normais abate 50 mil aves ao dia, deu férias a 97% dos funcionários até o próximo dia 30 de maio.

“A gente não tem nada de certeza para o dia de amanhã. Situação de incerteza se o frigorífico vai fechar as portas. Estamos sem pagamento, sem alimentação e sem clareza por parte da integradora de como vão ficar as coisas daqui para frente”, lamenta Santiani.

A Associação Catarinense de Avicultura (Acav) esclarece que o cenário atual é um dos mais desafiadores das últimas décadas. “A gente está ciente desse contexto e ele nos preocupa sobre várias óticas. Temos o impacto social das famílias sofrendo, temos o impacto econômico da redução da criação de riquezas dentro do estado, temos impacto sanitário que pode acarretar outros problemas. O setor está trabalhando com o governo do estado para encontrar alguma solução para suprir essas pequenas indústrias que estão em dificuldades. Pelo menos evitar que isso aconteça de forma escalonada”, esclarece o presidente da Acav, José Antônio Ribas.

Outra indústria que deverá dar férias coletivas aos funcionários é a filial da BRF em Capinzal. A empresa deverá paralisar as atividades em função da crise de milho. Em nota oficial a BRF afirmou que no período de 24 a 31 de julho a área de abate de frangos e industrializados vai ficar paralisada, mas o motivo seria a instalação de equipamentos para melhorias no processo de abate.

Com informações do Portal Oeste Mais

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais