Valor das compras para dia dos namorados terá recuo de 1,3%, afirma FCDL

10 de junho de 2016 13:50
Economia Compartilhar no Whatsapp
Valor das compras para dia dos namorados terá recuo de 1,3%, afirma FCDL Valor das compras para dia dos namorados terá recuo de 1,3% (Foto: Bruno Fiorini/Lance Notícias)

Considerada uma das datas mais importantes para o comércio, o dia dos namorados terá recuo de 1,3% em relação ao ano passado no varejo estadual, com tíquete médio de R$ 170,60 – e preferência por itens do vestuário e perfumes. Os dados constam da pesquisa de intenção realizada pela Federação das CDL de SC (FCDL/SC) e Fecomércio SC.

As atuais condições da economia, com a desaceleração da renda, desemprego e altas taxas de juros explicam o recuo. Segundo o que foi detectado 39,6% das famílias de Santa Catarina declararam estar em situação financeira pior do que o mesmo período de 2015, enquanto 32,5% sinalizaram condição melhor e outros 27,9% uma realidade igual.

Para Ivan Tauffer, presidente da FCDL/SC, a data ganha mais importância a cada ano e desta vez o recuo na expectativa de compras é menor do que o esperado pelos lojistas. “A troca de comando no governo federal e, por consequência, os novos rumos da economia influenciam no otimismo do catarinense para voltar às lojas”, pondera o dirigente.

De acordo com Bruno Breithaupt, presidente da Fecomércio SC, os lojistas precisam desenvolver estratégias para garantir o faturamento neste ano, visto que o consumidor está bastante retraído. “Cabe a nós, empresários, flexibilizar as condições de pagamento e colocar em prática ações para chamar a atenção do consumidor, aproveitando também a chegada do inverno”.

Perfil do consumidor
Para garantir o presente sem estourar o orçamento 65,5% dos entrevistados devem fazer pesquisa de preço antes de sair às compras. Os principais locais serão o comércio de rua (65,2%), shopping centers (26,6%) e internet (3,7%).

Carro-chefe das vendas na data, o segmento de vestuário (48,3%) será o mais procurado, seguido por perfumes/cosméticos (17,7%) e calçados/bolsas (11,2%). O setor de serviços também sentirá os impactos: 39,8% dos entrevistados pretendem sair para almoçar ou jantar.

A maioria (67,3%) deve pagar suas compras em dinheiro e um grupo menor (12,3%) optar pelo parcelamento. Preço (32%), atendimento (31%) e promoções (18%) serão os principais atrativos. A pesquisa foi realizada com consumidores em Lages, Chapecó, Blumenau, Joinville, Criciúma, Itajaí e Florianópolis.

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais