Vigilância Epidemiológica de Xanxerê não teve registro de Brucelose Humana neste ano

6 de março de 2019 13:51 | Visualizações: 89
Comunidade , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Vigilância Epidemiológica de Xanxerê não teve registro de Brucelose Humana neste ano (Foto: Ilustrativa/Divulgação)

A Brucelose, também chamada de febre de Malta, tem como agente etiológico uma bactéria do gênero Brucella. A doença é uma enfermidade de trato infeccioso que se alastra a partir dos animais para as pessoas. Essa contaminação pode ocorrer por meio do leite, queijo e demais laticínios. Há também a possibilidade da Brucelose ser transmitida através do ar ou pelo contato direto com animais que possuem a infecção.

Neste ano, a Vigilância Epidemiológica de Xanxerê, não teve registros da doença em humanos, e isso, de acordo com a coordenadora do setor, Francis Mara Zago Pegoraro, é um ponto positivo para o município.

– Nós não temos mais nada de casos. Tinha de 2017, mas foram todos tratados. Atualmente, nós não acompanhamos nenhum caso, já que são dois anos de acompanhamento. Quando há suspeita, o paciente passa pelo médico, faz todo o tratamento pelo SUS e quando o exame é positivo faz todo o protocolo da doença – diz.

A doença é transmitida ao ser humano por meio da ingestão de produtos lácteos não pasteurizados, carnes mal cozidas e derivados provenientes de animais infectados pela bactéria, que causa brucelose nos animais, especialmente em bovinos, suínos, caprinos e ovinos.

Atualmente, a Cidasc de Xanxerê acompanha três casos em animais. O coordenador do órgão frisa que os números diminuíram consideravelmente no município.

Leia também:

Cidasc acompanha três casos de brucelose no município


Por: Alessandra Bagattini

Deixe seu comentário

Saiba Mais