Xanxerê é o município da regional que mais registra incidente com taturanas

4 de dezembro de 2018 10:40 | Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Xanxerê é o município da regional que mais registra incidente com taturanas (Foto: Benício Monte)

Entre novembro e abril é a época em que há maior incidência de lonômia, ou, como são popularmente conhecidas, as taturanas.

Essas lagartas são comuns na região de Xanxerê e podem, inclusive, levar a morte. Neste ano, foram registrados 58 casos envolvendo lagartas na região, sendo 36 com a lonômia e quatro casos mais graves. De todos os municípios da região, o que mais registra incidentes é Xanxerê.

– As cerdas da lonômia transmitem uma toxina que age no mecanismo de coagulação das células. É uma sensação de ardência, dor e fica vermelha a região. Cerca de seis horas após o contato pode ter algumas alterações nos exames de coagulação podendo ser necessário o uso do soro. No ano passado nós tivemos um caso no Extremo-Oeste onde a pessoa foi a óbito. A vítima demorou para procurar atendimento médico, e quando procurou, também não lembrou de comunicar sobre o contato com a lagarta e ela acabou vindo a óbito. Depois de algumas horas a pessoa pode ter tontura e hemorragia e isso pode evoluir para o óbito – Elizandra Fchoemardie, bióloga da gerência de Saúde de Xanxerê.

Ao encostar na lagarta, é necessário que se busque imediatamente uma Unidade de Saúde para que os sintomas sejam avaliados, e, se necessário, iniciado procedimento medicamentoso.

É comum que os moradores ateiem fogo nas colônias de taturanas, que ficam nos troncos das árvores, mas esta não é uma pratica aconselhada.

– A gente orienta inclusive para entrar em contato com a Unidade de Saúde, para que elas sejam coletadas para fazer o soro. A lagarta é encaminhada para o Instituto Butantan para fazer o soro – finaliza.

 

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais