Xanxerense se dedica à técnica alternativa do Cone Chinês

27 de agosto de 2019 09:49 | Visualizações: 1070
Variedades , Xanxerê Compartilhar no Whatsapp
Xanxerense se dedica à técnica alternativa do Cone Chinês Foto: divulgação

As terapias holísticas vem cada vez ganhado mais espaço. A busca por um corpo e mente saudáveis tem feito com que muitos optem por alternativas naturais para tratar doenças e uma delas é o Cone Chinês.

A técnica serve para tratar renite, sinusite, enxaqueca, além de limpar o ouvido. Basicamente, ela consiste em um cone, feito de algodão e cera de abelha, que é colocado no ouvido e na outra ponta se acende o fogo. O calor gerado pelo cone, que queima como uma vela, acrescido de uma suave pressão negativa gerada da queima agirá como um bactericida para os ouvidos e as vias respiratórias, estimulando a limpeza do ouvido, limpa o excesso de mucosas.

Os benefícios mais conhecidos do Cone Chinês são os físicos. Combate ao excesso de cera nos ouvidos, rinite, sinusite, labirintite, congestão nasal, irritação e inchaço nas adenoides, pigarro, tosse, ressonar (ronco), dor de garganta, asma, pressão nos ouvidos, zumbidos. Também umidade e serosidade, tensões na ATM (bruxismo), desintoxicação, alívio das dores e tensões na cabeça. A sensação de alívio e relaxamento após a aplicação do Cone Chinês é notória.

Em Xanxerê, a Janaína Rodrigues se dedica à técnica.

– É uma técnica milenar, serve para tratar renite, sinusite, enxaqueca e vários outros problemas. É cera de abelha e algodão, onde deixa o paciente deitado de lado, coloca o cone no ouvido e acende na ponta. Se você tem uma inflamação ela vai sair, a cera do ouvido sai. Ela é uma terapia alternativa, hoje tem crescido muito esse movimento, as pessoas estão em busca de opções mais naturais – comenta. Ela atende na própria propriedade da família, na Linha Barro Preto, no interior, em meio à natureza.

Vale lembrar que a alternativa não substitui o acompanhamento médico, quando necessário.

 

 


Por: Patricia Silva

Deixe seu comentário

Saiba Mais